Artigo: A Baixada Maranhense, grandiosa e desenvolvida

Luiz Figueiredo

Essa imensidão de campos naturais, com a formação de grande qualidade de ilhas e terras altas, a maioria a beira campo, forma uma das micro regiões mais bonitas do país, semelhante somente ao Pantanal de Mato Grosso; áreas férteis e produtivas que precisam tão somente de um programa de desenvolvimento para aqui ser implementado.

Para viabilizar os recursos e os meios necessários, precisamos em primeiro lugar criar órgão de desenvolvimento regional, possivelmente uma Agência ou Superintendência, com autonomia administrativa e financeira , onde seriam elaborados e encaminhados os projetos aos órgãos estaduais, federais e até organizações internacionais.

Esse órgão de desenvolvimento regional seria composto principalmente por técnicos da região, conhecedores da nossa realidade que certamente apresentariam soluções viáveis, nada de projetos mirabolantes, as soluções são práticas e de baixo custo. Assim teríamos prioritariamente a construção dos diques e da estrada via Bacabeira, reduzindo a distância em mais de 200 km e desafogando os ferry-bouts, reduzindo o preço das passagens, dos fretes e economizando combustível.

Incentivo a pecuária, especialmente a criação de bovinos, suínos, caprinos e ovinos, e de búfalos confinados. Projetos de psicultura, carcinicultura, apicultura e criação de patos e marrecos. Implantação dos campos agrícolas comunitários, para produção de farinha de mandioca, milho, feijão, melancia e hortaliças; plantação de cana de açúcar, girassol e algodão; incrementar a produção de aguardente de cana; pequenas usinas de etanol; aproveitando integral do babaçu; preservação da palmeira.

Além disso, é preciso ter o controle da caça e da pesca predatórias; formação de consórcios intermunicipais rodoviários; unidade volante para de produtos agro veterinários (ferramentas, sementes, arame, agrotóxicos e medicamentos); incentivo ao cooperativismo; cursos de capacitação objetivando integrar os jovens ao programa; duas patrulhas rodoviárias localizadas em Viana e Pinheiro para manutenção das MAs;  retirada das cercas dos campos naturais; Construção da barragem no Rio Maracu para evitar a salinização dos lagos; e outros.

Espero que o Fórum em Defesa da Baixada, na pessoa do seu idealizador e grande incentivador, Dr Flávio Braga, complementando estas sugestões possa elaborar um grande programa de desenvolvimento da nossa querida. A Baixada é solução!

Luiz Figueiredo, ex-prefeito de São João Batista

Fórum em Defesa da Baixada Maranhense discute projetos audiovisuais para a região

A convite da Diretoria Executiva do SEBRAE/MA, por meio do seu Diretor-Superintendente, o forense Dr. João Martins, o Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM) participou da apresentação de projetos audiovisuais “Expedição Nordeste”. O FDBM foi representado pelo seu 2º Vice-Presidente, David Cutrim, que ficou encantado com a apresentação.  Soube que a produtora independente Tem Dendê da Bahia está preparando algumas séries como um Reality Rota da Emoções, como forma de contar as histórias Rios Maranhenses, a série falará sobre a história dos rios, dos ribeirinhos, das embarcações, das cidades banhadas por esses rios e alagados.

No material esta escrito “Pantanal Maranhense”, mas os forenses João Martins e David Cutrim pediram a correção para Baixada Maranhense.  Os episódios da séries serão transmitidas pelas TVs Difusora, SBT Nordeste e  1 (um) Canal de TV por assinatura de alcance nacional. Segundo Vânia, gerente-proprietária da produtora, existe um fundo nacional para produções áudios visuais com conteúdos com 2 (dois) bilhões de reais para serem gastos, somente no eixo norte/nordeste tem 300 milhões de reais para serem gastos com projetos áudio visuais de com conteúdos e o dinheiro está voltando aos cofres por conta da escassez de projetos e produtoras.

Portanto, essa é uma bela oportunidade de mostrar ao Brasil as histórias e os encantos da Baixada Maranhense, e não é promessa ou propaganda, as gravações estavam marcadas para setembro do ano passado, mas o visionário João Martins fez a genial colocação que era preciso aproveitar as cheias da Baixada Maranhense até maio/junho, sendo atendido prontamente pela Gerente da Produtora Tem Dendê, que marcou conosco gravação para maio deste ano.

Além dos forenses João Martins e David, estava presente à apresentação, o forense e engenheiro Antônio Valente, que reforçaram as palavras de João Martins. Na oportunidade, David falou da importância repassar as informações nas escolas sobre as embarcações tradicionais do Maranhão tão importantes para seu desenvolvimento. David conclama a todos: “Forenses esse é o caminho para o desenvolvimento do turismo e empreendedorismo, projeto que vai promover a Baixada Maranhense para o Brasil e para o Mundo”.

O Fórum da Baixada irá acompanhar e participar desse importante projeto audiovisual, que ficará sob a responsabilidade do Projeto de Turismo na Baixada, que tem como gestora Elinajara Pereira, ganhando um reforço dos forenses João Martins, David Cutrim e Antônio Valente. A Baixada tem pressa! Fonte: Ascom/Fórum da Baixada.

Folha de SJB

Em fevereiro, prefeito de Viana recebeu mais de 10 milhões. Vejam os números de S. J. Batista, Matinha, Penalva, Olinda, S. V. Ferrer, Cajapió e São Bento

Apesar da reclamação geral de prefeitos de que há queda e até falta de verbas para honrar compromissos com a administração pública, os 217 municípios do Maranhão estão com repasses em dias e este mês de fevereiro ultrapassou os repasses que geralmente as prefeituras recebem.

Só nos primeiros dois meses do ano, algumas cidades que o Blog do Jailson Mendes cobre receberam mais de 15 milhões de reais e mesmo assim, estes municípios estão sendo vítimas de denúncias e cobranças por parte dos moradores.

Entre as 8 cidades que o blog cobre, São Bento, Viana e Penalva estão entre os que receberam entre 9 e 12 milhões de reais entre os dias primeiro de janeiro e vinte de fevereiro deste ano.

Só o prefeito de Viana, Magrado Barros, recebeu mais de 10 milhões em fevereiro, superando todos outros municípios que o blog cobre. O levantamento foi feito com base em dados fornecidos pelo Portal da Transparência do Governo Federal e pelos demonstrativos do Banco do Brasil.

Cabe ressaltar que estes valores não estão incluídos as retenções para pagamento de débitos que as prefeituras estão devendo para previdências e outras empresas. A cidade que mais recebeu dinheiro entre esse período é a cidade de Viana, administrada pelo prefeito Magrado Barros.

Vejam os valores brutos

Penalva 9.023.292,00 

Viana 10.879.493,02 

São Bento  7.924.669,28 

São João Batista 5.385.243,25 

São Vicente  4.692.472,93 

Matinha 5.539.428,93 

Olinda 3.930.270,53 

Cajapió 2.782.371,70 

Folha de SJB

Justiça decide interditar matadouro de São Vicente em ação que tramita desde a gestão de Cabo Freitas

Resultado de imagem para ex-prefeito Cabo Freitas
Ação foi ingressada durante administração de Cabo Freitas

A Justiça decidiu, no dia 27 de fevereiro, interditar o Matadouro Público Municipal de São Vicente Ferrer. O pedido foi realizado desde 2012, quando a cidade era administrada pelo ex-prefeito Cabo Freitas. Na época, o pedido foi formulado pelo promotor de Justiça, Tharles Cunha Rodrigues e julgado procedente esta semana, pelo novo juiz do município, Francisco Bezerra Simões.

Consta na ação que, na época, o matadouro carecia de limpeza e de estrutura adequada para o seu funcionamento. As irregularidades podem oferecer riscos à saúde dos consumidores e das pessoas que trabalham no local, conforme relatório da Vigilância Sanitária, entregue em 2 de fevereiro de 2012. ‘No matadouro, as portas estão sem trancas, o banheiro está sempre sujo, o curral não é cimentado, as ossadas são jogadas a céu aberto e a carne para consumo humano é transportada em carroças’, disse o promotor.

Ele disse que encaminhou Recomendação ao então prefeito, Cabo Freitas, pleiteando a aplicação de medidas que solucionassem as irregularidades encontradas. Mas, de acordo com a Vigilância Sanitária, nenhuma medida foi tomada para resolver os problemas. Na ação, julgada esta semana, o juiz decidiu determinar a interdição do prédio até que seja regularizado o seu registro junto ao órgão de inspeção competente (federal, estadual ou municipal), bem como seu licenciamento ambiental, trazendo-o às condições de higiene e saúde aceitáveis, dentro das esferas de exigências dos órgãos competentes.

Como medidas liminares, além da interdição, o promotor de Justiça requereu a urgente retirada dos detritos e restos de animais da área externa do matadouro e a limpeza geral do espaço. Igualmente foi solicitada a expedição de ofícios à Secretaria Estadual de Meio Ambiente, à Vigilância Sanitária Municipal e Estadual e ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), para que fiscalizem a execução dos pedidos.

“Com efeito, desde o ajuizamento da ação, tem-se oportunizado ao Município, tanto administrativa como judicialmente, a regularização da situação, já havendo o transcurso de mais de 6 (seis) anos sem que fossem tomadas as medidas necessárias. Atualmente, podem-se destacar as seguintes irregularidades: inexistência de qualquer tipo de licenciamento ambiental e sanitário; não existe local de descarte das carcaças e fezes dos animais abatidos, havendo descarte irregular dos resíduos, atraindo animais e insetos e, inclusive, havendo possibilidade de contaminação de água nas áreas adjacentes; existem salas com várias rachaduras e acesso livre para animais e insetos; equipamentos (balança, ganchos, portões, trilhos, etc.) enferrujados, trazendo risco à saúde dos trabalhadores e à limpeza da própria carne; não existe serviço de inspeção por médico veterinário, não havendo controle sobre a qualidade da carne; entre outros”, disse o juiz.

Por fim, o juiz definiu a sentença. “Pelo exposto, DEFIRO a tutela provisória de urgência, liminarmente, para que seja interditado o Matadouro Municipal de São Vicente Férrer/MA até que seja regularizado o seu registro junto ao órgão de inspeção competente (federal, estadual ou municipal), bem como seu licenciamento ambiental, trazendo-o às condições de higiene e saúde aceitáveis, dentro das esferas de exigências dos órgãos competentes. Para o caso de descumprimento, estabeleço, desde já, multa diária de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), até o limite de R$ 100.000,00 (cem mil reais), a ser revertido ao fundo de defesa do consumidor, de que trata o Art. 13 da Lei nº 7.347/8”, finaliza o magistrado.

Folha de SJB

Governo do Estado vai reinaugurar escola na próxima semana em São Vicente Ferrer

O Governo do Estado do Maranhão vai reinaugurar na próxima semana mais uma escola totalmente reformada em São Vicente Ferrer. Desta vez, será a escola estadual Dr. José Arouche, localizada no centro da cidade. A prefeita Conceição Castro, convida toda a população para o ato.

Ontem, a gestora da Unidade de Educação de Viana, Andréa Simas, esteve visitando as dependências da unidade e informou que a inauguração está marcada para a próxima segunda-feira, dia 5 de março. A reinauguração deve ter a presença de secretários de Flávio Dino como Felipe Camarão, Marcio Jerry e Marcelo Tavares.

Ela esteve acompanhada de vereadores e do secretário de Finanças do município, Fabinho Ferreira. Reformada pela Secretaria de Estado da Educação, a escola foi totalmente modernizada e conta com uma das melhores estruturas do Maranhão.

Conferência

Ontem, 27, a Secretaria Municipal de Educação realizou uma conferência de educação. O evento foi realizada no prédio da Câmara de Vereadores de São Vicente Ferrer e contou com a participação de professores, comunidade escolar, vereadores e da promotora de Justiça, Alessandra Darub.

Folha de SJB

Agricultores de Cajapió assinam contrato para fornecimento de merenda escolar

A Prefeitura Municipal de Cajapió assinou contratos com 16 agricultores do município para aquisição de alimentos para as escolas da Rede Pública Municipal. Os contratos foram assinados ontem, 27, com a presença de representantes da gestão e os agricultores que fornecerão os alimentos para as escolas.

Serão diversas toneladas em produtos da agricultura familiar, fornecidos ao longo do ano para fortalecimento da qualidade da merenda escolar. São produtos como frutas, legumes, verduras, hortaliças e muitos outros produtos. A intenção é, além de elevar a qualidade da merenda, garantir a sobrevivência dos agricultores cajapioenses.

O prefeito Dr Marcone vem trabalhando para melhorar as condições do pequeno e médio produtor, ressaltando que o programa de compra de produtos agro familiares para compor o cardápio da merenda escolar ajuda na melhoria da renda das famílias rurais, além de prover uma alimentação mais saudável para os alunos.

Folha de SJB

Governo do Estado e prefeituras iniciam Mutirão do Glaucoma nas cidades de Penalva, S. J. Batista, Cajapió, São Vicente, Matinha e Olinda

Municípios da regional de Saúde de Viana recebem ações do Mutirão do Glaucoma, executado pelo Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), que tem como objetivo prevenir a população da doença, assim como realizar o diagnóstico precoce.

A ação é realizada com apoio das Prefeituras Municipais de Matinha, São João Batista, Cajapió, Olinda Nova do Maranhão, São Vicente Ferrer e Penalva. O mutirão também estará nas cidades de Viana e São Bento.

A ação integra um conjunto de atividades que visam ampliar o acesso da população aos serviços de saúde e o Governo tem levado a todas as cidades a possibilidade das pessoas terem um diagnóstico precoce, perceberem os sintomas e receberem orientações sobre hábitos saudáveis que evitam ou minimizam os agravos provocados pelo glaucoma.

Ao todo, 22 municípios que compõem estas regionais serão beneficiados pelo programa estadual. A partir desta quinta (22), a população de Cajari e Viana será atendida durante a ação que é voltada para o público em geral, incluindo os pacientes do grupo de risco – pessoas acima de 40 anos, com a pressão intraocular elevada, histórico familiar de glaucoma e portadoras de doenças como diabetes, hipertensão e hipertireoidismo.

A população receberá suporte das equipes formadas por oftalmologistas e técnicos. Durante o mutirão, além da consulta, os pacientes realizam exames e, segundo diagnóstico, recebem a medicação logo após o atendimento, além de serem encaminhados ao tratamento. Com avaliação do médico, o diagnóstico é dado em questão de poucos minutos, por meio dos exames de campimetria, a tonometria e a fundoscopia.

O mutirão permite a detecção precoce da doença, o que contribui para o tratamento mais rápido e adequado, evitando a perda da visão. Além disso, é possível realizar o diagnóstico de outras doenças como a catarata, também frequente no diagnóstico dos pacientes durante as ações de combate ao glaucoma.

Programação do Mutirão do Glaucoma

Sexta-feira (23)
Manhã – 8h
Cantanhede – UBS Clóvis Chaves – Avenida Rio Branco, s/n, Centro
São Mateus do Maranhão – Colégio São Francisco – Rua Benu Lago, S/N, Centro
Penalva – Unidade Básica de Saúde da Piçarreira – Próximo estádio de futebol

Tarde (A partir de 14h)
Matões do Norte – Centro Avançado de Saúde José Araújo – Avenida Doutor Antônio Sampaio, s/n, Centro
Alto Alegre do Maranhão – Centro de Saúde de Alto Alegre do MA – Avenida da Rodoviária, s/n, Centro
Matinha – Hospital PSF – Hospital Velho – Avenida Major Heráclito, s/n, Centro

Sábado (24)
Manhã – 8h
Vitória do Mearim – Escola Manijituba, no Bairro Manijituba
Codó – Travessa Rio de Janeiro, 77, São Francisco
Olinda Nova do Maranhão – CAPS, Rua Capitão Antônio Serra Freire, s/n, Centro

Tarde – 14h
Arari – Unidade Mista Jorge Oliveira – Praça Major Pestana, s/n, Centro
Timbiras – Centro de Saúde Victoriano Abdalla – Rua Urbano Santos, s/n, Centro
São Vicente de Ferrer – Centro de Saúde Ana Campos

Domingo (25)
Manhã – 8h
Miranda do Norte – Hospital Municipal Pedro Vera Cruz, Rua da Faixa, s/n, Centro
Coroatá – Prédio do CEM – Antigo do HGM – Centro, em frente aos Correios
Bacurituba – Centro de Saúde de Bacurituba, Rua Benjamim Constant, 1107, Centro

Tarde – 14h
Peritoró – Unidade Básica de Saúde de Peritoró, Rua Campo do Geraldão, s/n
Cajapió – UBS Odorico Amaral de Matos, Povoado Boa Esperança – antes de entrar na cidade

Segunda-feira (26)
Manhã – 8h
São Bento – UBS Mutirão, Rua Antônio Manoel Padilha, 100, Mutirão

Tarde – 14h

Palmeirândia – Secretaria Municipal de Saúde – UBS São Carlos, Praça Santo Antônio, s/n, Centro

Congresso aprova 83 milhões para o MA. Vejam os valores para Viana, S. J. Batista, Cajapió, Olinda, S. V. Ferrer, Matinha, Penalva e São Bento

Resultado de imagem para dinheiroO Congresso Nacional aprovou, nessa terça-feira 20, em votação simbólica, projeto de lei que abre crédito especial de R$ 2 bilhões aos ministérios da Saúde, da Educação e do Desenvolvimento Social para auxílio aos municípios brasileiros, em recursos oriundos do Auxílio Financeiro aos Municípios (AFM). Com a aprovação, o texto vai a sanção presidencial.

Os recursos serão destinados às prefeituras de acordo com os critérios de distribuição já aplicados na divisão do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Desse total, segundo levantamento divulgado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), as 217 cidades do Maranhão serão beneficiadas com mais de R$ 83 milhões.

A verba foi garantida, ainda no ano passado, durante uma articulação nacional em Brasília que contou com o total engajamento da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (Famem). O presidente da entidade, Cleomar Tema, inclusive, encontra-se na capital federal desde o início desta semana, tratando de interesses dos municípios do estado.

“Estes recursos serão fundamentais para oxigenar as prefeituras e fazer com que as mesmas deem continuidade aos serviços essenciais em favor dos maranhenses. Tratou-se de mais um ganho obtido graças a união dos prefeitos e prefeitas maranhenses, com o apoio de nossos deputados federais e senadores”, destacou Tema.

Vejam os valores que as cidades que o Blog do Jailson Mendes cobre, deverão receberão receber. Confiram AQUI a lista completa de todos os municípios maranhenses.

Cajapió — R$ 198.920,35

Matinha — R$ 298.380,52

Olinda Nova do Maranhão — R$ 248.650,43

Penalva — R$ 447.570,78

São Bento — R$ 497.300,87

São João Batista — R$ 298.380,52

São Vicente Ferrer — R$ 298.380,52

Viana — R$ 547.030,96

Folha de SJB

Prefeitos de São Bento, Penalva e Viana receberam mais de 10 milhões nos primeiros 50 dias do ano. Vejam os valores de S. J. Batista, Olinda, Matinha, S. V. Ferrer e Cajapió

Apesar da reclamação geral de prefeitos de que há queda e até falta de verbas para honrar compromissos com a administração pública, os 217 municípios do Maranhão estão com repasses em dias.

Só nos primeiros 50 dias do ano, algumas cidades que o Blog do Jailson Mendes cobre receberam mais de 12 milhões de reais e mesmo assim, estes municípios estão sendo vítimas de denúncias e cobranças por parte dos moradores.

Entre as 8 cidades que o blog cobre, São Bento, Viana e Penalva estão entre os que receberam entre 9 e 12 milhões de reais entre os dias primeiro de janeiro e vinte de fevereiro deste ano. O levantamento foi feito com base em dados fornecidos pelo Portal da Transparência do Governo Federal e pelos demonstrativos do Banco do Brasil.

Cabe ressaltar que estes valores não estão incluídos as retenções para pagamento de débitos que as prefeituras estão devendo para previdências e outras empresas. A cidade que mais recebeu dinheiro entre esse período é a cidade de Viana, administrada pelo prefeito Magrado Barros.

Vejam os valores brutos

São Bento 10.594.775,43 C

Viana 12.424.390,43 C

Penalva 10.418.989,05 C

São João Batista 6.381.519,71 C

São Vicente 5.718.507,68 C

Olinda Nova do Maranhão  4.795.351,69 C

Matinha  6.558.419,41 C

Cajapió 3.518.370,24 C

Folha de SJB

Olinda Nova e São Vicente Ferrer disputam amanhã a final da Copa dos Campeões da Baixada

A seleção de Olinda Nova do Maranhão derrotou a seleção de Matinha e está na final da Copa dos Campeões da Baixada Maranhense, que está sendo disputada em São Vicente Ferrer e teve a participação de 10 times da região.

Seleção de Olinda Nova do Maranhão

O time bateu o município de Matinha, por 01 a 0 e está na final da maior competição da região. Os olindenses disputarão o título com os representantes de São Vicente Ferrer, o Internacional.

Com esta vitória, Olinda Nova do Maranhão chega a sua quarta final de Copão da Baixada. Foram dois títulos até aqui e agora tem a chance de chegar ao tri-campeonato. “É a grande final do Copão contra os donos da casa. Esperamos mais uma vez o apoio da torcida Olindense”, disse o secretário Doriedson, que comanda o time.

Com a derrota, o time de Matinha enfrenta o Corinthians, de São João Batista, disputando o terceiro lugar do campeonato. E a representação de São Vicente enfrenta Olinda Nova pela disputa do título de campeão da Baixada. Os jogos começam a partir das 14 horas, no Estádio Municipal Mutirão.

Folha de SJB

Lideranças jovens da Baixada Maranhense participam do lançamento da Campanha Juventude Prevenida

Lideranças da Baixada acompanharam o lançamento da campanha

Várias lideranças jovens da Baixada Maranhense participaram nesta quarta-feira, do lançamento da Campanha Juventude Prevenida, realizada pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Estado Extraordinária da Juventude (Seejuv). O evento realizado no auditório do Convento das Mercês, em São Luís, contou com a participação de gestores municipais de juventude, representantes de órgãos estaduais e municipais, além de jovens estudantes do Centro de Ensino Médio Estado do Amazonas, do Bairro de Fátima.

A campanha integra as ações da gestão estadual voltadas para o público jovem, com foco na defesa e promoção da vida e tem como objetivo desenvolver estratégias conjuntas entre o Governo do Estado, municípios e a juventude em geral, para o enfrentamento, redução e prevenção dos índices de vulnerabilidade da juventude maranhense no período carnavalesco, com foco principal na Prevenção as IST’S/AIDS, Alcoolismo, Acidentes de Trânsito, entre outras.

Entre os presentes estavam os secretária de Juventude de Matinha, São Bento e Viana, Vivânia Gonçalves, Raimundo Antonio e Marcos; o coordenador do Fórum Regional de Políticas Públicas de Juventude da Baixada Maranhense, Jailson Mendes; os representantes de Fóruns de Juventude, Maria Freitas, Fernando Santos e Joseilson Costa, além de vários outros representantes de outros municípios da região. A secretária da Juventude, Tatiana Pereira, destacou que a campanha Juventude Prevenida tem como principal característica, a valorização da vida da juventude através de ações integradas entre os vários órgãos estaduais e municipais em prol do cuidado com os jovens durante o Carnaval. “A campanha cria uma grande rede de prevenção e atenção para o cuidado e a valorização da vida da juventude. Para isso é muito importante a articulação entre os vários órgãos estaduais e a parceria com os gestores de juventude para levar informação e prevenção, que é a principal estratégia dessa ação”, ressaltou.

O secretário de estado dos Direitos Humanos e Participação Popular, Francisco Gonçalves, também participou da atividade e disse que a campanha tem como principal foco, fazer com que a alegria do Carnaval continue após as festas. “É uma campanha de defesa da alegria. Carnaval é tempo de alegria, de celebrar a vida, mas é necessário ter cuidados e se prevenir para que a alegria continue após as festas”, comentou. Além do ato de lançamento, o evento contou ainda com atividades lúdicas e informativas sobre as temáticas abordadas pela campanha. A equipe da Coordenação de Educação para o Trânsito do Departamento Estadual de Trânsito (Detran – MA), iniciou as atividades com a performance teatral “Fala sério meu brother!”, que abordou de forma educativa e lúdica a prevenção a acidentes de trânsito com ênfase na importância de não dirigir alcoolizado e de respeitar as leis de trânsito. Também de forma teatral, os jovens da União da Juventude Socialista (UJS) apresentou uma intervenção cultural sobre como a sociedade ver as pessoas que vivem com o vírus HIV.

Ações

No Carnaval 2018, a campanha, que tem como tema “Juventude Prevenida curte e compartilha seu amor pela vida!”, tem como propostas de estratégias, a realização de blitz da prevenção nos principais corredores da folia do estado; palestras educativas em escolas públicas e particulares; blitz dirigir com segurança; popularização de canais de denúncia de violações dos direitos humanos. Em 2017, a edição da Campanha Juventude Prevenida de Carnaval alcançou mais de 450 mil jovens em mais de 60 municípios. Foram distribuídos 405 mil preservativos masculinos, 56 mil preservativos femininos e 140 mil unidades de gel lubrificantes, além de cerca de 100 mil panfletos informativos, distribuídos em pouco mais de uma semana.

Campanha Juventude Prevenida

A Seejuv desenvolve ações da Campanha Juventude Prevenida desde 2015 para reduzir os índices de vulnerabilidade dos jovens maranhenses em ISTs/AIDS, gravidez na adolescência, alcoolismo, tabagismo, dependência química, suicídio, trabalho infantil, exploração sexual de crianças, adolescentes e jovens, dentre outros. Assim como em 2017, em 2018, a campanha terá quatro edições abordando os seguintes temas: Prevenção a IST’S/AIDS, Alcoolismo, Acidentes de Trânsito (fevereiro), Prevenção à Violência e Exploração Sexual de Crianças, Jovens e Adolescentes (maio), Prevenção às Drogas (junho e julho) e Prevenção ao Suicídio (setembro). Com informações do site da Seejuv.

Juventude Prevenida

Folha de SJB

Internacional, de São Vicente, está na final da Copa dos Campeões. Matinha e Olinda disputam hoje segunda vaga

A equipe de São Vicente Ferrer, Internacional, está na final da décima terceira edição da Copa dos Campeões da Baixada Maranhense. Ele ganhou a representação de São João Batista, ontem, durante o primeiro jogo da semi-final da competição.

Corinthians ficou no 0 a 0 no jogo normal, mas perdeu nos pênaltis para o Internacional. A segunda vaga será disputada hoje pelos times de Olinda Nova do Maranhão e Matinha.

O jogo começa a partir das 16 horas, no Estádio Municipal Mutirão. O ganhador disputa a final com os representantes de São Vicente e o perdedor jogo com o Corinthians disputando o terceiro lugar.

A disputa pelo terceiro lugar e pelo primeiro será realizada no próximo sábado de carnaval, também em São Vicente Ferrer. O primeiro jogo será às 14 horas e o segundo, a partir das 16 horas.

Folha de SJB

Deputado pede instalação de Ciretran em Viana e fala sobre apreensão de motos em Penalva, S. J. Batista e São Bento

Raimundo Cutrim solicita a instalação de unidade do Ciretran em VianaEm pronunciamento na sessão desta quarta-feira (7), o deputado Raimundo Cutrim (PCdoB) voltou a pedir ao governador Flávio Dino (PC do B) que adote providências no sentido de instalar uma unidade do Ciretran na cidade de Viana.

Ele lembrou que no ano passado deu entrada em uma indicação com o pedido, tendo em vista que os condutores de Viana, quando precisam resolver alguns assuntos referentes a documentação dos seus veículos, têm que ir à cidade de Pinheiro.

Cutrim também afirmou que quando esteve no Sistema de Segurança Pública do Estado existiam 18 delegacias regionais e 18 companhias independentes de batalhões no interior, bem como as Ciretrans para que as instituições pudessem trabalhar de forma integrada.

“Os condutores de veículos de Viana ficam dependendo de Pinheiro, só que é longe. Então, nada mais do que justa a instalação deste Ciretran em Viana. Eu e o vereador Padilha já conversamos com o prefeito Magrado para conseguir as instalações para que seja de imediato criado e instalado o Ciretran em Viana”, afirmou Raimundo Cutrim, ressaltando que a unidade do Ciretran dará suporte a 13 municípios daquela circunscrição.

Ao finalizar, Raimundo Cutrim disse que hoje, se uma moto é apreendida por falta de documento nas cidades de Penalva, São João Batista, Viana ou São Bento, é encaminhada para Pinheiro. “Espero que o governador se sensibilize e determine de imediato esse Ciretran no município de Viana”, finalizou.

Folha de SJB

Viana recebeu quase 4,5 milhões de complementação do Fundeb. Vejam os valores de Penalva, São Bento, Olinda, Matinha, S. J. Batista, Cajapió e São Vicente

O Ministério da Educação liberou mais de R$ 2,9 bilhões para complementação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Além do Maranhão, os estados e municípios de Alagoas, Ceará, Amazonas, Bahia, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco e Piauí também receberam a verba.

Os recursos são referentes à última parcela de 2017, que soma R$ 1,9 bilhão, liberados na última quarta-feira, 31, e à primeira parcela de 2018 que é de R$ 963,9 milhões, liberados na semana passada. O dinheiro foi repassado via Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), autarquia vinculada ao MEC.

Do total remetido a estados e municípios, R$ 291,5 milhões serão destinados à parcela de complementação da União para o pagamento do piso salarial dos professores, por parte dos sistemas de ensino. Atualmente, o piso corresponde a um salário de R$ 2.455,35 para jornada de 40 horas semanais. Já R$ 2,6 bilhões são para complementação do Fundeb.

Entre os municípios do Maranhão mais receberam recursos está a cidade de Viana, administrada pelo prefeito Magrado Barros. Só o município recebeu quase 4 milhões e meio de reais da complementação do Fundeb. Vale ressaltar que estes valores foram repassados às prefeituras no dia 02 de fevereiro, referente à segunda parcela.

Vejam abaixo a lista das cidades que o Blog do Jailson Mendes cobre que receberam a complementação.

Penalva 3.352.761,08

Viana  4.499.219,10

São Bento 2.637.125,82

São João Batista 1.979.913,67

São Vicente Ferrer 1.547.044,37

Matinha 2.057.607,80

Olinda Nova do Maranhão 1.343.543,44

Cajapió  850.781,83

Folha de SJB

Governador Flávio Dino entrega nova patrulha agrícola ao prefeito de Olinda Nova do Maranhão

O prefeito de Olinda Nova do Maranhão recebeu uma nova patrulha agrícola do governador Flávio Dino para melhorar e fomentar a área da agricultura do município. A entrega foi realizada durante uma cerimônia realizada na tarde desta terça-feira (1°), no auditório do Palácio Henrique de La Roque.

A ação do Governo do Estado é em parceria com a bancada maranhense no Congresso Nacional, que viabilizou, por meio de emendas parlamentares, os recursos para a aquisição dos equipamentos. Costinha estava acompanhado do secretário de agricultura do município, Raimundo da Farmácia.

Além desse equipamento, Olinda Nova do Maranhão já foi contemplada com viaturas, ambulâncias e recursos para melhorar o Hospital Municipal. A entrega também contemplou mais de 30 municípios e entre os materiais entregues estão tratores, carretas agrícolas, grades aradoras, plantadoras de mandioca, roçadeiras hidráulicas, patrulhas agrícolas e caminhão toco.

“Hoje foi mais um dia para ficar marcado na história da nossa cidade, estive juntamente com o Secretário de Agricultura, Raimundo da Farmácia, recebendo das mãos do governador uma viatura agrícola novinha, veículo este, que impulsionará ainda mais os trabalhos de agricultura do nosso município”, disse o prefeito Costinha.

O governador Flávio Dino reforçou a importância da agricultura para o PIB do estado. “A força da agricultura e da pecuária teve importância significativa no crescimento do PIB em 2017. Hoje, com a parceria da bancada federal, conseguimos beneficiar os municípios e as entidades sociais com esses equipamentos, proporcionando aos trabalhadores rurais o acesso à tecnologia, fundamental para produzir mais e melhor por todo o Maranhão”, disse o governador.

Folha de SJB

Livro ‘Ecos da Baixada’ está disponível para venda em São João Batista

O acadêmico de Jornalismo Jailson Mendes e o superintendente de Articulação Política, Luiz Everton, com o livro ‘Ecos da Baixada’

O livro ‘Ecos da Baixada’, que contém crônicas e artigos de vários autores da Baixada Maranhense, está a venda em São João Batista. A obra foi lançada em 2017, pelo Fórum em Defesa da Baixada.

Entre os que assinam os artigos estão os joaninos Luiz Figueiredo, Jailson Mendes, Dr. Cutrim, Manoel Barros, Eulálio Figueiredo e Batista Azevedo. O livro custa 30 reais e está disponível para venda no comércio de Dona Zeca, em frente à Praça da Matriz, centro.

Ler o livro é fazer uma impressionante viagem pela Baixada, percorrendo os seus encantos naturais, lendas, valores, saberes, tradições, costumes, gastronomia… e as nostalgias, prantos, sonhos, reflexões e reminiscências dos cronistas e articulistas.

Folha de SJB

Tiroteio em Penalva termina com um morto e em Viana, acidente com vítima fatal

A onda de violência e imprudência continuam aumentando nas cidades da Baixada Maranhense. Ontem e hoje, as cidades de Penalva e Viana foram marcadas por grandes atos de violência e acidentes fatais, que terminaram em duas mortes, inclusive de uma aposentada hoje cedo.

De acordo com as informações encaminhadas ao Blog do Jailson Mendes, o primeiro caso aconteceu no bairro Bacural, em Penalva. Um homem identificado apenas como Baldez recebeu diversos tiros e foi brutalmente assassinado. Um companheiro dele também foi atingido com os disparos, mas ainda está vivo.

Vídeos e fotos foram divulgados, mas o blog prefere não publicar nenhuma mídia. A morte aconteceu após um tiroteio com centenas de tiros, mas a polícia não divulgou, até agora, nenhuma informação oficial. Em menos de 24 horas, dois tiroteios foram registrados no município de Penalva e a população vive apreensiva.

Agora pela manhã, no bairro de Fátima, em Viana, uma aposentada morreu após ter sua cabeça esmagada por uma caçamba. Pelo que o blog colheu, trata-se de uma senhora identificada apenas como Dona Raimunda e no local do acidente não tinha nenhum quebra-mola e as circunstâncias do acidente não foram divulgadas até agora.

Folha de SJB

Saiba quanto as prefeituras de Penalva, S. J. Batista, Matinha, Olinda, São Bento, S. V. Ferrer, Viana e Cajapió receberam este mês

O blog do Jailson Mendes divulga agora quantos milhões as prefeituras das cidades de Olinda Nova do Maranhão, Viana, Cajapió, São Vicente Ferrer, São Bento, Matinha, Penalva e São João Batista receberam no primeiro mês deste ano, do Governo Federal. Os repasses, que foram divulgados sem os descontos como pagamento de multas e débitos da prefeitura, fazem parte de um levantamento junto aos demonstrativos do Banco do Brasil.

A ultima parcela caiu hoje, 30 de janeiro. A cidade de Penalva recebeu quase 4 milhões de reais no mês passado. Administrada pelo prefeito Ronildo Campos, o município recebeu exatamente R$ 3.831.187,76 de reais. De acordo com as informações, a cidade de Olinda Nova do Maranhão, comandada pelo prefeito reeleito Costinha, recebeu 1.861.418,95 de reais este mês.

Governada pelo prefeito Dr. Marcone, a cidade de Cajapió recebeu R$ 1.443.130,21 de reais até o dia 30 de janeiro. Já o município de Viana, administrada por Magrado Barros, recebeu mais de 4 milhões este mês. Foram exatamente 4.351.179,42 reais recebidos dos repasses do Governo Federal. O município de São Vicente Ferrer recebeu 2.248.612,88  de reais. A cidade é administrada pela prefeita Conceição Castro.

Segundo os demonstrativos do Banco do Brasil, São João Batista recebeu 2.382.774,87 reais, comanda pelo prefeito João Dominici. Já na cidade de Matinha, administrada pela prefeita Linielda de Eldo, o montante recebido foi de 2.451.065,41 reais. Por fim, São Bento, que é comandada pelo prefeito Luizinho Barros, recebeu mais de 3 milhões. Foram exatamente 3.740.275,41 reais.

Das cidades que o blog posta informações, o município de Viana foi o que mais recebeu dinheiro. O blog informa novamente que os dados são dos demonstrativos do Banco do Brasil, em conjunto com o Portal da Transparência. O Fundeb e o Fundo de Participação foram os fundos que mais caíram dinheiro para todas estas prefeituras, bem como as demais, mas em consideração ao mês passado, em algumas prefeituras pesquisadas os repasses diminuíram, com Olinda e Cajapió.

Folha de SJB

Em São Bento, Issac Dias Filho filia-se ao PMDB com a presença do senador João Alberto

O ex-prefeito de São Bento e ex-deputado estadual Isaac Dias realizou ontem (28) grande ato político para confirmar sua saída do PDT e filiação ao MDB. O convite para a troca partidária partiu do senador João Alberto (MDB), que abonou a ficha de filiação do ex-pedetista no novo partido.

O deputado federal João Marcelo (MDB) também participou do ato. A filiação ocorreu na residência de Isaac Dias em São Bento. Na mesma ocasião, também se filiaram ao MDB a esposa do líder político, Bitinha Dias, e Isaac Dias Filho, que deixou o PTN e aproveitou o momento para anunciar sua pré-candidatura a deputado estadual.

Isaac Dias exerceu dois mandatos de prefeito de São Bento, além de quatro de deputado estadual. Era oriundo do PMDB até o início da década de 90, quando saiu para o PDT. Agora de volta, não será apenas um filiado, mas presidente do diretório do MDB na cidade.

“Ele não está apenas entrando para o partido, como será o presidente do MDB de São Bento”, destacou o senador João Alberto. Junto com Isaac Dias, devem confirmar ingresso ao MDB, ainda, pelo menos três vereadores de São Bento. Essa filiações devem ocorrer em março.

Além da pré-candidatura a deputado estadual, Isaac Dias Filho anunciou que fará em São Bento e região uma “dobradinha” com o deputado federal João Marcelo nas eleições deste ano.

“Essa parceria não vai ser só em São Bento, será em toda a região. João Marcelo para deputado federal e eu vou colocar meu nome à disposição como pré-candidato a deputado estadual, não só do povo de São Bento, mas também da Baixada Maranhense, para que a Baixada volte a ser respeitada, para que a Baixada volte a ter vez e voz”, disse. Com informações de Gilberto Leda.

Folha de SJB

Vejam os resultados das primeiras rodadas da Copa dos Campeões da Baixada

Começou neste sábado a décima terceira edição da Copa dos Campeões da Baixada Maranhense, que está sendo disputada na cidade de São Vicente Ferrer e organizada pelo desportista Eliezer Ramos, com apoio da Prefeitura Municipal. Ao todo, 10 times participam do campeonato, considerado o maior da região.

Equipe de Olinda derrotou Juvic

A primeira rodada terminou com a derrota do atual campeão, Juvic, de São Vicente, que perdeu de 02 a 01 para a seleção de Olinda Nova do Maranhão. No primeiro jogo da primeira rodada, a equipe de São Bento derrotou a seleção de Viana, por 01 a 0.

Na segunda rodada, realizada neste domingo, os dois times de São João Batista se enfrentaram. Corinthians ganhou a partida do Moto Taxi por 01 a 0, e no segundo jogo os matinhenses derrotaram, por 02 a 01, a equipe de Penalva.

A copa estará sendo disputada pelos times Olinda Nova, Penalva D.C (Penalva), Bellas Águas ( São Bento), Santa Maria (Matinha), Moto Táxi (SJB), Cajapió FC (Cajapió), JUVIC (SVF), Corinthians (SJB), PAC (Viana) e Internacional (SVF).]

Folha de SJB

Fórum de Políticas Públicas de Juventude da Baixada Maranhense elege nova coordenação

O Fórum de Políticas Públicas de Juventude da Baixada Maranhense tem uma nova diretoria. A reunião com as principais lideranças e organizações de Juventude da região foi realizada neste sábado, no prédio da Secretaria Municipal de Juventude de Matinha.

O Fórum congrega as organizações de juventude da Baixada como Fóruns de Juventude, Pastorais da Juventude, Grêmios Estudantis e Secretarias Municipais de Juventude e tem, entre outros objetivos, o de estabelecer um diálogo permanente entre os grupos juvenis, Poder Público Local e das demais organizações da Sociedade Civil, Poder Público e Privado sobre políticas para juventudes e fomentação, elaboração e execução de programas e projetos para o desenvolvimento da região.

Criado em 2015 e com sede em Viana, o organismo foi o responsável por fomentar e organizar conferências municipais, conselhos e reuniões ampliadas de Juventude, além de assessor projetos para a categoria no território da Baixada. Na reunião, o primeiro presidente da instituição, Adgerson Serrão, falou sobre a importância do Fórum e destacou alguns avanços, principalmente na realização das conferências municipais.

A nova diretoria assume por dois anos, 2018 e 2019, e foi composta por diversos municípios da região. O jovem e presidente do Conselho Municipal de Juventude de São João Batista, Jailson Mendes, e a secretária de Juventude de Matinha, Vivania Gonçalves, foram eleitos presidente e vice-presidente, respectivamente. Entre as expectativas para essa nova gestão, o presidente eleito, Jailson Mendes, afirmou que focará no diálogo com os gestores públicos e legisladores, para fortalecer os instrumentos de participação dos jovens nas cidades da Baixada Maranhense.

Vejam como ficou a nova diretoria do Fórum de Políticas Públicas de Juventude da Baixada Maranhense.

Jailson Mendes – Presidente – São João Batista

Vivânia Gonçalves – Vice-presidente – Matinha

Heloison Costa – Primeiro Secretário – Arari

Yasmim Silva – Segunda Secretária – Matinha

Carlos André – Diretor Financeiro – São Bento

Adgerson Serrão – Assessor de R. P. e Institucionais – Viana

Fernando Santos – Assessor de Comunicação – São João Batista

Gilmar de Jesus – Conselho de Planejamento – Penalva

Alaide Silva – Conselho de Planejamento – Olinda

Tássia Fernanda – Conselho Fiscal – São João Batista

Thayris Bianca – Conselho Fiscal – São Bento

Adeilton Costa – Conselho Fiscal – São João Batista

Diques da Produção já chegam a 16 municípios da Baixada Maranhense para ajudar produtores

Diques da Produção já chegam a 16 municípios da Baixada Maranhense para ajudar produtores. (Foto: Leandro Sousa)

Com o início das obras em Matinha no início deste mês, chegou a 16 o número de municípios beneficiados com a construção de 17 obras do Diques da Produção do Governo do Maranhão. O programa, executado por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedes), era esperado havia muito tempo pelos moradores da Baixada Maranhense. O programa vai chegar a 35 cidades no total.

O programa inclui a construção de diques e barragens. Os diques são canais com extensão média de 1,2 mil metros. Eles alagarão no período de chuvas e permitirão a sobrevivência de peixes que morreriam com a seca, além de oferecerem água para o gado e plantações. A obra vai servir para o uso comum da população, estimulando a geração de emprego e renda.

O presidente da Associação dos Moradores Quilombolas de Matinha, Raimundo Belfort Trindade, foi conferir de perto o início da construção do Dique em Matinha. A chegada da escavadeira foi a realização de um sonho para a comunidade. “Ele [equipamento] vem com algo esperado pelo nosso povo, trazendo mais produção, uma arrecadação e preservação de área para que tenhamos alimentação, produtividade e sustentabilidade da comunidade”, comentou.

As obras já foram finalizadas em 13 municípios, onde os tanques já contam com toda a estrutura necessária para o armazenamento da água. Matinha, Olinda Nova e o segundo dique de Bequimão também já tiveram construção iniciada.nO secretário da Sedes, Neto Evangelista, afirmou que as obras de construção desses diques estão entre as mais importantes ações do Governo do Estado na Baixada Maranhense: “A meta é transformar a realidade atual da região com produção, crescimento econômico e inclusão socioprodutiva”.

Um dos objetivos do projeto é reduzir os índices de insegurança alimentar e de pobreza na região e promover a geração de trabalho, emprego e renda nas comunidades contempladas. Os municípios já beneficiados são Pinheiro, Bacurituba, Arari, Olinda Nova, São Vicente Ferrer, Cajapió, Penalva, Bequimão, Santa Rita, São João Batista, Viana, Anajatuba, Mirinzal, Palmeirândia, Peri Mirim e Matinha.

Diques da Produção já chegam a 16 municípios da Baixada Maranhense para ajudar produtores. (Foto: Divulgação)

Diques da Produção já chegam a 16 municípios da Baixada Maranhense para ajudar produtores. (Foto: Divulgação)

Folha de SJB

MIQCB coordena trabalhos de reconquista de territórios em Matinha, na Baixada Maranhense

Um mutirão trabalhando pelo acesso livre ao território. Foi o que aconteceu no último final de semana no território Sesmaria do Jardim, em Matinha, distante 190 km de São Luís. Durante uma semana, cerca de 60 moradores se organizaram e iniciaram a operação limpeza dos campos removendo capim e cercas de arame farpado que limitavam o acesso as áreas de pesca das comunidades quilombolas e de quebradeiras de coco da região. As comunidades de Pastos, Bom Jesus e São Caetano participaram dos trabalhos em uma demonstração de que a mobilização social é determinante para transformar realidades.

A atividade, que contou com o apoio do Movimento Interestadual das Quebradeiras de coco babaçu do Maranhão, Pará, Tocantins e Piauí (MIQCB), é incentivada pelo projeto Manejo da Gente, financiado pela Climate Land and Use for Alliance (CLUA), executado pelo Instituto Amazônico de Agriculturas Familiares da Universidade Federal do Pará. Mais que uma ação, o trabalho marcou o inicio da luta pela reconquista do território de maneira organizada e conduzida pelas comunidades. Os resultados foram satisfatórios; conscientização da importância da mobilização comunitária, incentivo ao trabalho coletivo, limpeza de uma grande área em Bom Jesus.

Os trabalhos deveriam contar com a presença de policias militares para garantir a segurança, da Secretaria do Meio Ambiente do Estado para a retirada das cercas elétricas e dos tratores da prefeitura de Matinha para ajudar na limpeza dos campos. “Serviços prestados pela metade; a segurança aconteceu via monitoramento (ligações), a equipe da SEMA não apareceu e os tratores somente chagaram após a pressão da comunidade, no quinto dia de trabalho”, enfatizou a coordenadora do MIQCB na região, Maria do Rosário Costa Ferreira. Ao longo dos dias, várias ameaças foram realizadas por fazendeiros ao grupo de trabalho, que ficou impendido de avançar nos trabalhos devido a presença ostensiva dos jagunços. “O importante foi à união e a consciência demonstrada aqui pelo grupo, irmanados e com o apoio das instituições reconquistaremos o território”, enfatizou dona Rosário.

Os trabalhadores rurais também colocaram suas vidas em risco, pois, além da presença de jagunços, tiveram que redobrar os cuidados com as cercas elétricas presentes no território. A prática é dos fazendeiros e posseiros locais que, de maneira ilegal, põe em risco a vida das quebradeiras de coco babaçu, quilombolas, dos pescadores, e que deixou de ser combatida pelo Governo do Estado do Maranhão com a falta de continuação da operação Baixada Livre. “A primeira e última operação de retirada foi realizada em setembro. É importante que o MIQCB e todas as instituições continuem firmes na cobrança junto aos governantes para que a operação continue”, enfatizou Rosenilde (Rosa) Gregório, também coordenadora do MIQCB.

Outra definição importante tomada pelo grupo é impedir que os búfalos acessem o campo limpo que compreende área de plantação e o açude. “Moro aqui há quase 60 anos e ao longo do tempo percebo a qualidade do peixe comprometida com a presença dos búfalos nos campos. Não é certo limparmos a área do açude e deixar livres para esses animais, temos que priorizar a sobrevivência das pessoas”, enfatizou a quebradeira de coco babaçu, Raimunda Nonata Rodrigues, dona Dedé. A limpeza da área vai propiciar que a comunidade retorne com as plantações de mandioca, arroz, feijão que antes cederam lugar para a plantação de capim com o objetivo de alimentar os búfalos. A quebradeira de coco Dulcineia Pires Araújo, há 50 anos vivendo no território, lembra dos tempos em que os campos eram mais livres. “A comunidade sempre esteve por aqui, sempre vivemos da terra, dos campos, dos açudes, aos poucos os búfalos foram tomando conta de tudo. Precisamos retomar o que é nosso”, enfatizou.

O objetivo da limpeza é liberar o campo das plantações indesejadas, capitaneadas por invasores dessa área comum (fazendeiros e posseiros), especialmente de capim e algodão e remover as cercas de arame farpado que limitam o acesso aos recursos naturais como campos e babaçuais. Além dos moradores estarem prejudicados no dia a dia de suas atividades, principalmente, pelo acesso negado aos lagos e babaçuais, pela presença das cercas (muitas eletrificadas), as comunidades sofrem com a presença constante dos búfalos que poluem o meio ambiente e pela substituição da vegetação natural da região pelas plantações de capim. O período eleito para ação é o final da seca dos campos, no qual é possível andar a pé por toda a extensão. Em janeiro, os campos começam a encher novamente, uma vez que chega o período de chuvas, e ação fica comprometida. Fonte: MIQCB

Folha de SJB

Livro ‘Perfil da Baixada Maranhense’ deve ser lançado até março pelo professor Raimundinho Cutrim

O professor Raimundinho Cutrim, escritor natural de São João Batista, está preparando a sua terceira obra. Desta vez, o escritor vai traçar o ‘Perfil da Baixada Maranhense’, que irá destacar a história social, política, cultural, econômica, artística e turística dos 21 municípios da região, mais a cidade de Cajapió.

Professor prepara a primeira edição sobre os municípios da Baixada Maranhense

Em conversa com o Blog do Jailson Mendes, o professor disse que a previsão é que a obra seja lançada até março deste ano. “O livro falará sobre a origem, área, população, densidade, IDH, PIB, PIB per capita, limites, distância até a capital, prefeitos, vereadores, deputados e personalidades ilustres”, contou o professor.

Ainda segundo ele, a obra destacará também aspectos geográficos, econômicos, culturais, povoados quilombola, turismo, culinária, arte, artesanato, principais povoados e lazer. “Vamos trazer, também, informações sobre os nossos governadores do Maranhão desde o tempo colonial até 2020, presidentes da República desde os capitães Mores até 2020 e tudo sobre a Baixada Maranhense”, comentou o professor.

Cutrim já lançou duas etapas do ‘Perfil de São João Batista’, que fala tudo sobre a nossa cidade e agora já está preparando a primeira edição que abrangerá todos os municípios da Baixada Maranhense. Aguardem…

Folha de SJB

Em três anos, governo de Flávio Dino investiu mais de R$ 247 milhões na infraestrutura da Baixada Maranhense

Durante os três primeiros anos da gestão do governador Flávio Dino, a Baixada Maranhense, formada por 21 municípios, já recebeu mais de R$ 247 milhões em obras. Construções e urbanizações nas áreas da educação, segurança, saúde, espaços públicos, vias urbanas e rodovias fazem parte do maior pacote de investimentos do Governo do Estado da história da região. Para este ano, mais investimentos já foram anunciados.

Educação – Um dos maiores programas do governo Flávio Dino é o Escola Digna, que transforma escolas de taipa e barro em escolas de alvenaria. Na Baixada Maranhense, o governo investe R$ 9.897.866,36 na construção de Escolas Dignas. Uma delas fica na cidade de Monção, no povoado Vila da Paz. Os alunos receberam com muita alegria o prédio novo com duas salas, banheiros, cozinhas e salas administrativas. “Estávamos contando os dias para que as aulas pudessem começar”, afirmou o professor Mauro Henrique durante o último dia de aula num barracão improvisado.

O Programa Escola Digna também constrói Núcleos de Educação Integral, constrói e reforma escolas regulares e quadras poliesportivas em todas as regiões. Na Baixada, dois núcleos estão em construção e 16 escolas recebem investimentos de mais de R$ 25 milhões. O Centro de Ensino (C.E.) Nina Rodrigues, por exemplo, teve todo o seu prédio reformado. Os serviços de revisão e melhorias no telhado, instalação de forro, recuperação de banheiros, revisão das instalações elétrica e hidráulica, pintura, entre outros serviços, deram novos ares à escola que tem oito salas de aula, laboratório, biblioteca, pátio, além de espaços administrativos.

“É um sentimento de muita gratidão ao Governo do Estado por essa iniciativa de dar mais dignidade aos nossos alunos, professores e demais funcionários. Este momento aqui mostra que o governo está empenhado em transformar a nossa escola em um espaço digno”, destacou a gestora geral em exercício, Ingrid Lituânia. Outra reforma significativa foi do C.E. José de Anchieta, em Pinheiro. A escola fica localizada no Campinho, um dos maiores bairros da cidade de Pinheiro. É uma das maiores e mais tradicionais escolas públicas da cidade. Com 40 anos de história, tem uma grande relevância no contexto educacional da cidade, mesmo assim, há 13 anos a escola não passava por uma reforma, de fato, estruturante.

A obra realizada pelo Governo beneficia diretamente mais de 900 estudantes, além de professores e funcionários. A reforma incluiu a recuperação do telhado, troca de piso, instalações hidráulicas e elétricas renovadas, pintura das paredes, instalação de aparelhos de ar condicionado, novos quadros, reforma de banheiros, troca de portas, janelas e de luminárias, instalação da subestação de energia elétrica e nova adequação dos espaços de lazer, além da aquisição do novo mobiliário. Ainda na educação estão em construção três Institutos Estaduais de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA) nas cidades de Santa Helena, São Vicente Ferrer e Vitória do Mearim. O IEMA foi criado com o intuito de ampliar a oferta de educação profissional técnica de nível médio no estado.

Saúde – Na área da saúde, o Governo do Maranhão investe R$ 52.099.940,66 na construção, reforma e ampliação de oito prédios. Uma das grandes realizações da Baixada foi a inauguração do Hospital Regional Dr. Jackson Lago, em Pinheiro. O hospital regional possui 122 leitos de internação, sendo 26 de clínica médica, 26 leitos de clínica pediátrica, 26 leitos de clínica ortopédica, 26 leitos de clínica cirúrgica, 12 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e seis leitos de Unidade de Cuidados Intermediários (UCI).  O pedreiro Sebastião Ribeiro, de 67 anos, há três anos aguardava pela cirurgia de catarata. Na primeira ação do hospital, um mutirão, foi possível realizar a operação. “A operação da vista foi um sucesso, estou feliz demais”, comemorou Sebastião Ribeiro.

Segurança – Já na segurança, o governo Flávio Dino investe cerca de R$ 4.640.047,10 na reforma, construção e manutenção de prédios na Baixada Maranhense. Em Penalva, está sendo realizada a reforma e ampliação da Delegacia de Polícia Civil. Em Pinheiro, o governo reforma e modernização o 10º Batalhão de Polícia Militar. A delegacia de São Bento também está recebendo intervenções.

Mais Asfalto – O Programa Mais Asfalto é uma ação do Governo que pavimenta e melhora rodovias e requalifica as vias urbanas das cidades. Na Baixada, o investimento do Mais Asfalto supera os R$ 156 milhões. Um dos grandes gargalos da região era a MA-006, entre Pedro do Rosário ao povoado Cocalinho. São 42 quilômetros de extensão que por décadas foram alvos de protestos por parte dos moradores.

“Mais de 49 anos eu esperei por todo tempo o asfalto passar aqui”, relatou a aposentada Maria de Nazaré, de 66 anos, uma das moradoras mais antigas de Pedro do Rosário. Além dessa rodovia, o Governo está investindo na construção de 16 quilômetros da Estrada do Peixe, que liga Itans a Matinha, e na construção da Ponte Central/Bequimão.

Na MA-106, entre Cujupe e Governador Nunes Freire, as obras de recuperação dos seus 186 quilômetros facilita o deslocamento de maranhenses e paraenses. De Vitória do Mearim até o povoado Três Marias, na MA-014, estão sendo recuperados 151 quilômetros da rodovia. Ainda na MA-014, estão sendo realizados investimentos de Palmeirândia até o entroncamento com a MA-106, em Peri-Mirim. Ascom.

Diques de Produção avançam no município de Olinda Nova do Maranhão

Uma comitiva do prefeito Costinha esteve visitando as obras dos Diques de Produção na região do povoado Loreto, zona rural de Olinda Nova do Maranhão. O programa Diques de Produção é realizado pelo Governo do Estado, em parceria com municípios da Baixada Maranhense e vem avançando no povoado.

A obra, segundo prefeito, vai servir para o uso comum da população, estimulando a geração de emprego e renda. O dique é um canal com extensão média de 1,2 mil metros. Eles alagarão no período de chuvas e permitirão a sobrevivência de peixes que morreriam com a seca, além de oferecerem água para o gado e plantações.

De acordo com Costinha, a obra garantirá o armazenamento de água para os moradores no período da estiagem, que dura em média seis meses. “Isso significa que vai haver condições o ano todo para a produção agrícola e atividade pesqueira familiar dos diversos povoados da nossa querida Olinda”, disse o prefeito.

Além disso, o objetivo dos Diques de Produção, implantarão grandes canais que permitirão armazenar água doce, ação necessária para o desenvolvimento de projetos nas áreas da piscicultura, agricultura e pecuária. Olinda é um dos 15 municípios da Baixada Maranhense que receberão as obras do Governo do Estado.

Folha de SJB

Bloco ‘Piaba Maluka’ fará o pré-carnaval dos baixadeiros em São Luis

As atrações culturais são fundamentais para integração dos forenses. A Piaba Maluka é um bloco carnavalesco, criado em 2003 pela Família Braga, sob a liderança de Flávio, 1º Presidente do Fórum da Baixada, que teve a visão e abnegação de trazer a brincadeira para ser o pré-carnaval dos baixadeiros.

O Grito de carnaval dos baixadeiros deste ano de 2018 será no dia 27 de janeiro (sábado), na AABB (Calhau), a partir das 14:00 horas. O Abadá está sendo comercializado ao preço de R$ 20,00 (vinte reais). As encomendas estão sendo realizadas nos grupos de WhatsApp do Fórum da Baixada. Venham participar conosco.

Folha de SJB

Vejam quantos benefícios do Bolsa Família foram cancelados ou bloqueados pela CGU em Cajapió, S. V. Ferrer, Olinda, Matinha, S. J. Batista, Viana, Penalva e São Bento

Mais de 100 mil benefícios do Programa Bolsa Família foram cancelados ou bloqueados no Maranhão pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS). Além destes, 32.638 encontram-se em fase da avaliação. Nesta quinta-feira (04), o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) divulgou o resultado da avaliação para aprimoramento dos controles relativos ao programa.

Em nível nacional, foram cancelados 469.612 benefícios, 1.468.681 estão bloqueados e 620.030 estão em fase de avaliação. A Bahia é o estado com maior número de cancelamentos, bloqueios e avaliação, cerca de 200 mil (veja quadro abaixo). A auditoria buscou verificar a confiabilidade dos resultados do cruzamento das bases de dados oficiais com os valores de renda declarados pelos beneficiários no Cadastro Único, a fim de identificar indícios de pagamentos indevidos, bem como avaliar as providências adotadas pelo órgão frente às inconsistências.

O tema foi selecionado pela CGU devido à importância de garantir controle e transparência das informações do Bolsa Família, tendo em vista sua relevância social – o público-alvo do Programa refere-se às 13,5 milhões famílias que vivem em situação de extrema pobreza (renda mensal por pessoa até R$ 85) e de pobreza (renda mensal por pessoa entre R$ 85,01 e R$ 170, desde que tenham em sua composição crianças ou adolescentes de 0 a 17 anos).

A concessão dos benefícios tem caráter temporário e não gera direito adquirido, devendo o Cadastro Único ser atualizado obrigatoriamente em até dois anos ou quando houver alteração da situação de condição das famílias. Inconsistências cadastrais – O cruzamento de dados realizado pelo MDS utilizou uma nova metodologia, a qual foi proposta por um Grupo de Trabalho Interinstitucional (GTI), formado por diversos ministérios e órgãos de controles.

Como resultado foram identificadas mais de 2,5 milhões de famílias que recebiam benefícios do Programa Bolsa Família com indícios de inconsistência cadastral. Elas foram enquadradas em três faixas de renda familiar per capita (RFPC). O MDS aplicou o bloqueio dos benefícios para os casos em que as famílias tiveram renda per capita inconsistente identificada entre R$ 170,00 e meio salário mínimo (R$ 440,00), visto que se enquadram na regra de permanência (flutuações pontuais de renda que não alteram a condição estrutural de pobreza), sendo necessário o recadastramento para o desbloqueio. Já para aquelas com renda superior a meio salário mínimo, foi aplicado o cancelamento do benefício.

Segundo os dados, levantados pelo Blog do Jailson Mendes, diversos benefícios foram cancelados ou bloqueados nas cidades de Cajapió, São Vicente Ferrer, Olinda, Matinha, São João Batista, Viana, Penalva e São Bento. Vejam, por municípios os dados…

Folha de SJB

Veja quantos milhões, em 2017, receberam as prefeituras de Cajapió, S. J. Batista, Olinda, Matinha, S. V. Ferrer, Penalva, São Bento e Viana

Apesar da reclamação geral de prefeitos de que há queda e até falta de verbas para honrar compromissos com a administração pública, os 217 municípios do Maranhão receberam, durante os 12 meses de 2017, o total de R$ 10.558.071.665,66 (dez bilhões, quinhentos e cinquenta e oito milhões, setenta e mil, seiscentos e sessenta e cinco reais e sessenta e seis centavos) em transferências de recursos federais, constitucionais, legais ou voluntárias realizadas pelo governo Michel Temer, do MDB.

O levantamento foi feito com base em dados fornecidos pelo Portal da Transparência do Governo Federal, administrado pelo Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), e captados do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi) e Fundo Nacional da Saúde (FNS).

Segundo o apurado, pela ordem de valor, os sete municípios que mais receberam repasses foram os de São Luís, Imperatriz, Caxias, Timon, São José de Ribamar, Codó e Bacabal. Já os que receberam menos transferências foram os de São Félix de Balsas, Nova Iorque, São Pedro dos Crentes, Nova Colinas, Benedito Leite, Sambaíba e Sucupira do Riachão.

Levando em consideração os repasses recebidos em 2016, houve queda nas receitas de todos os municípios. Entre as cidades que o Blog do Jailson Mendes cobre, o município que mais recebeu repasses em 2017 foi Viana, que recebeu mais de 80 milhões no ano passado. O município é administrado pelo prefeito Magrado Barros. Em seguida vem São Bento, com 61 milhões. Abaixo, a lista das cidades que o blog cobre.

Cajapió 19.444.972,50

Matinha 44.436.300,76

Olinda Nova do Maranhão 29.539.956,19

Penalva 56.247.985,28

São Bento 61.871.428,42

São João Batista 41.991.946,70

São Vicente Férrer 36.503.826,73

Viana 81.766.337,82

Confira AQUI a relação completa

Longa herança: quilombolas da Baixada Maranhense se recusam a pagar taxa de uso a fazendeiros

Maria José Pinto de Souza vive na comunidade do Quilombo Nazaré, no Maranhão

Capatazes chegam com chicotes em punho para cobrar o foro: uma espécie de imposto pago pelos quilombolas aos fazendeiros para poder viver nas terras e plantar. Sem muita conversa, recolhem a maior e melhor parte da produção da lavoura, fruto de meses de trabalho. Mandioca, milho, arroz, maxixe, abóbora. Quando julgam que a colheita não foi suficientemente farta, exigem dinheiro e confiscam tudo o que encontram. Carregam até pratos, panelas e cavalos. Botam fogo em casa de farinha para retaliar. Ameaçam de expulsão e morte quem se atreve a resistir. Deixam famílias inteiras para trás passando fome.

Embora pareçam saídos de um livro de história do século XIX, os relatos são de fatos recentes, e acontecem ainda hoje em quilombos do Maranhão – comunidades formadas pelos descendentes de quem viveu a escravidão naquela época. Em comunidades da Baixada Maranhense, é comum fazendeiros que se dizem donos das terras, muitas vezes sem ter nenhum documento de comprovação, obrigarem os moradores a repartir o que cultivam. É um sistema que se repete há décadas e, durante longo tempo, foi seguido sem questionamentos pelos quilombolas. Mas, à medida que eles foram tomando consciência de seus direitos, passaram a resistir e os conflitos se acirraram.

“Houve um fenômeno esquisito no estado, as fazendas eram vendidas com as pessoas dentro, como se fossem coisas”, pontua Sandra Araújo dos Santos, advogada da Comissão Pastoral da Terra (CPT). “Os negros não entendiam dessas questões de documentação, então iam sendo submetidos ao que os novos donos queriam, como ao pagamento de taxas absurdas”. Para muitas famílias, como as 150 que vivem no território onde está localizado o Quilombo do Charco, em São Vicente Ferrer, abrir mão do que produzem pode significar não ter o que colocar na própria mesa.

Mas a violência produzida pelo foro vai além da fome. O quilombola Flaviano Pinto Neto pagou com a vida porque ousou desafiar esse sistema. Foi executado com sete tiros na cabeça, em outubro de 2010. De acordo com a polícia, ele tombou a mando do fazendeiro Manoel Gentil. “Flaviano não aceitou que a exploração continuasse”, diz Zilmar Mendes, presidente da Associação Quilombola do Charco. “Foi assassinado porque libertou a nossa comunidade da escravidão”. Pelo menos cinco quilombolas foram mortos no Maranhão depois dele, em decorrência de conflitos de terras. O estado é um dos líderes em disputas fundiárias no país.

Quando dona Ana chegou a Nazaré, em 2000, havia 5 ou 6 famílias. Hoje são mais de 30. A associação de moradores presidida por ela levou melhorias para o quilombo

A perversa prática do foro, que persiste em dezenas de quilombos no Maranhão, é uma herança do modo como foi aprovada a Lei Áurea. A escravidão acabou oficialmente em 1888, mas não houve uma política de distribuição de terras. Quem havia sido escravizado ficou vulnerável a novas formas de aprisionamento mesmo dentro das áreas onde se estabeleceu como pessoa livre. As comunidades maranhenses, assim como de outras unidades da federação, foram constituídas por trabalhadores escravizados que buscavam liberdade ou recém-libertos, que se fixaram em áreas deixadas por fazendeiros falidos pós-abolição, em terras sem destinação ou em lotes recebidos como herança. Foram formando família. Mas, sem o amparo do Estado, a exploração continuou.

A comunidade que rompeu com o foro

Foi essa a história do Quilombo Nazaré, em Serrano do Maranhão, onde os moradores conseguiram romper com o sistema do foro poucos anos atrás. “O que a gente não pode fazer é se entregar”, salienta a professora Joana Batista Santos, de 60 anos. Ana, como é conhecida, nasceu e foi criada em Soledade, comunidade a 9 quilômetros dali. Ela se mudou para Nazaré em 2000, para dar aula na única escola do povoado, e viu que a situação de exploração não era diferente de outros quilombos do estado. Mas, àquela altura, o marido dela, José Romão Reis Reges, hoje com 60 anos, já estava envolvido com o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Cururupu, de onde se tornou presidente. E o fim do foro era uma das bandeiras da entidade. “Para receber, o fazendeiro tinha que mostrar o recibo de propriedade da terra”, alega Reges.

A resistência à taxa imposta por fazendeiros aumentou quando os quilombolas começaram a despertar para os seus direitos. A presença de Clemir Batista e Inaldo Serejo, da CPT, a partir de 2005, foi essencial nesse processo tanto em Nazaré quanto em outras comunidades nas redondezas. Eles “plantaram uma sementinha”, reconhece Gil Quilombola, de 37 anos, o filho mais velho de dona Ana e seu Reges, uma das lideranças da região. “Detectaram que Serrano era uma área com muitos conflitos fundiários. Começaram a falar de quilombos, quilombolas, direitos e deveres. A gente se assanhou”, brinca Gil. Nesse momento, surgiu na Baixada o Movimento Quilombola do Maranhão (Moquibom), que passou a fazer reivindicações e se estendeu por todo o estado. Seus integrantes já chegaram a acampar no Incra e a fazer greve de fome, em busca de visibilidade para sua luta e reconhecimento legal de seus territórios. “Flaviano não aceitou que a exploração continuasse. Foi assassinado porque libertou a nossa comunidade da escravidão”, salienta Zilmar Mendes, da comunidade do Charco

Nazaré está encravado a mais de 100 quilômetros da capital, São Luís. Uma viagem de cerca de 6 horas que envolve travessia de balsa, percurso em estrada de asfalto e de areia fofa. É uma das onze comunidades quilombolas do território batizado de Mariano dos Campos, área cuja extensão equivale à metade do Plano Piloto de Brasília e é reivindicada pelos quilombolas em um processo que corre no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) desde 2011. A demanda por regularização fundiária é grande na região. Pelos cálculos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 94% da população de Serrano é quilombola. É a maior proporção do país.

O empresário Wellington Dias, que já se candidatou a vereador e a prefeito pelo Partido Verde na cidade vizinha, Cururupu, é um dos que afirmam ter comprado propriedades lá. Disse à Repórter Brasil ter adquirido a primeira em 1982 do espólio do médico Cesário Coimbra. “É muito fácil não estudar, não trabalhar, não fazer nada e querer se apropriar de terras alheias”, critica. Contrariando a autoidentificação da comunidade, o reconhecimento da Fundação Cultural Palmares e do próprio Governo do Estado de que a área é quilombola, tanto que há políticas públicas específicas para as comunidades, Dias alega que Nazaré nunca foi um quilombo. “Isso é uma farsa”, reclama. A reação dele mostra a dificuldade da comunidade em fazer valer o artigo 68 da Constituição, que prevê a concessão definitiva de propriedade. Direito que está ameaçado pela Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 3239, ajuizada pelo DEM no Supremo Tribunal Federal.

A demora do governo federal na regularização definitiva das terras, a maioria já certificada como quilombola pela Fundação Cultural Palmares, mantém os ânimos exaltados. “Antes negro deitava no chão pra fazer ponte pra branco passar por cima. Hoje não deita mais porque negro já é sabido”, frisa José Mário Silva Pinto, de 54 anos. Ele conta que chegou a encontrar perto de sua casa um fojo, vala profunda coberta por folhas usada por capitães-do-mato como armadilha para capturar pessoas escravizadas que haviam fugido ou mantê-las presas. “No inverno ficava tudo cheio de água. Tem fojo onde jogavam os negros e eles não saíam mais porque tinha ponta de ferro”, lembra.

Pinto leva a vida como a maior parte dos habitantes de Nazaré, em casa de taipa, e tira seu sustento da terra e do rio. Seu orgulho de ser quilombola emergiu quando a CPT ajudou o povoado a exorcizar discursos como o de que as religiões de matriz africana são “coisas do demônio” e de que “negro não presta”. “Não desprezo a minha comunidade”, afirma ele. “Não tenho intenção de sair daqui”. No Quilombo, divindades católicas convivem com orixás, caboclos e encantados. Tambores de mina e crioula ecoam nos festejos do povoado. “O toque do tambor palpita no peito como se fosse o próprio coração, e os quilombolas vão se encorajando pela força de seus ancestrais e da espiritualidade”, diz Sandra, da CPT.

A primeira quilombola

Contam os mais antigos que o português Ramiro Pinto chegou à Baixada Maranhense na primeira metade do século XIX. Teria seguido a rota de pássaros e aberto uma estrada na mata imaginando que encontraria um rio e que poderia fixar residência nas redondezas. Nhô Ramiro, como era chamado, conseguiu o que buscava. Colonizou uma boa porção de terras por lá e manteve o costume da época: perpetuou seu sobrenome tanto nos herdeiros de sangue quanto nas pessoas que escravizou – um sinal de que seriam todos de sua propriedade.

Parte do que se sabe hoje sobre a história da região foi relatada por uma neta de Nhô Ramiro, Galberta, filha de um homem branco e de uma mulher negra escravizada. Ela teria vivido lúcida até os 115 anos. “Minha vó Galberta ainda era criança quando a princesa Isabel gritou a liberdade”, lembra Pedrolina Pinto Castelhano, de 62 anos, se referindo à Lei Áurea. “A família se espalhou quando acabou a escravidão. Muitos negros já tinham fugido das fazendas naquele tempo, mas ela ficou. Cresceu no Quilombo Nazaré”.

Galberta costumava reunir os netos em bancos de madeira ou sentados no chão sobre folhas de piaçaba para contar o que sabia. Formava uma grande roda de crianças. Todas com pratinhos de comida redondos de barro produzidos por ela própria. Falava dos sacrifícios de viver numa sociedade opressora. Repetia que os senhores de escravos das fazendas de lá se saudavam todas as manhãs chacoalhando lenços brancos. “A mata não era alta como agora, era tudo limpinho”, recorda Pedrolina. “Os negros sofriam demais. Minha vó não fugiu porque era doente, nasceu corcunda. Fazia tudo que mandavam”.

Muita coisa mudou desde então, em especial quando os quilombolas foram descobrindo seus direitos. Entre a instalação de um poço artesiano e o rompimento com o sistema do foro, um local marcou o processo de transformação da comunidade: a escola, que se tornou o centro de resistência do Quilombo Nazaré. Saiba sobre esse processo no próximo capítulo. Fonte: Repórter Brasil.

Folha de SJB