Indígenas acabam de bloquear a MA-014 novamente, entre Viana e Matinha

Os índios Gamellas acabam de bloquear a MA-014, entre as cidades de Matinha e Viana. A rodovia é a principal via de acesso da Baixada Maranhense e essa já é a terceira vez que é bloqueada em menos de um mês.

Vários veículos na MA-014

Segundo as primeiras informações, a manifestação segue sem data para ser liberada e, por enquanto, passam apenas ambulâncias. O local exato da manifestação fica na aldeia Itaquaritiua, que liga dezenas de municípios da Baixada.

Embora havia informações que o tráfego tinha sido interrompido desde ontem, apenas por volta das 13 horas desta quarta-feira (08) os indígenas resolveram reiniciar o bloqueio. Alguns motoristas de carros pequenos estão usando um atalho no povoado São Felipe, em sentido à cidade de Pedro do Rosário, de difícil acesso.

Desde o mês passado, os indígenas estão bloqueando diversas rodovias do Maranhão. O protesto é contra o PL 490, que trata sobre demarcação de terras, em votação no Supremo Tribunal Federal, que será retomado nesta quarta, em Brasília.

O movimento é contra as medidas que dificultam a demarcação de terras, citadas Projeto de Lei 490. Se aprovada, a proposta impede os povos indígenas de obterem o reconhecimento legal de suas terras tradicionais se lá não estavam fisicamente em 5 de outubro de 1988, dia da promulgação da Constituição Federal, ou se não tinham nesta data uma controvérsia possessória de fato ou judicializada. Essa tese é conhecida como “marco temporal”.

3 respostas para “Indígenas acabam de bloquear a MA-014 novamente, entre Viana e Matinha”

  1. Direito de prostetar todos têm, no entanto, o que os índios estão fazendo já virou palhaçada.
    É incontável o prejuízo que os municípios da baixada acabam contabilizando devido aos bloqueios.
    Comerciantes sem mercadoria;
    Posto de gasolina sem gasolina;
    Farmácia sem medicamento;
    Protestar é um direito de todo brasileiro, mas a partir do momento que o protesto começa a prejudicar o coletivo….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *