Fim de gestão: Tesouro bloqueia FPM e TCE suspende contrato de mais de meio milhão em Viana

Após as eleições do último dia 15 de novembro, que elegeu Carrinho Cidreira para comandar os próximos quatro anos, a cidade de Viana recebeu duas notícias que marcarão o fim da gestão de Magrado Barros, derrotado nas urnas.

Prefeito Magrado Barros entrega gestão em janeiro

O Tribunal de Costa do Estado suspendeu um contrato de mais de meio milhão de reais e o Fundo de Participação do Município foi bloqueado pelo Tesouro Nacional. Segundo as informações, a empresa W&A Villefort Consultoria e Tecnologia Ltda. teve seu contrato suspenso com a prefeitura após fiscalização do tribunal.

A empresa faria uma avaliação econômico-financeira da folha de pagamento dos servidores municipais, bem como a concessão de crédito consignado em folha, mas foi barrado a pedido do Núcleo de Fiscalização do tribunal, que constatou diversas irregularidades no contrato, cuja valor é de R$ 513 mil.

Em uma decisão assinada pelo conselheiro Washington Oliveira, o TCE determinou que a Secretária de Administração da prefeitura, Arlene Barros, e a pregoeira, Maria Celma Ripardo, suspendam qualquer pagamento à empresa. Para completar, o município de Viana tá desde o dia 16 deste mês com o Fundo de Participação do Município bloqueado.

O atual prefeito, Magrado Barros, ainda não se posicionou sobre os assuntos. Vejam os documentos…

Decisão – TCE- Viana-MA

Uma resposta para “Fim de gestão: Tesouro bloqueia FPM e TCE suspende contrato de mais de meio milhão em Viana”

  1. Triste fim de quem começou a carreira política como prefeito, sem antes ter demonstrado qualquer aptidão para a gestão pública. O vianense tem entendido, não valer a pena, correr o risco de reeleger um gestor descompromissado com a sua terra e a sua gente. Que sirva de exemplo ao aventureiro, seja lá quem for, que vislumbre apenas a sua satisfação pessoal e desvio de conduta. Parabéns ao prefeito eleito! que Deus ilumine a sua gestão. Que a Câmara Municipal cumpra com o seu dever constitucionalmente estabelecido em Lei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *