Em nota ao blog, advogado das irmãs Tainar e Tainara dos Santos diz que elas não são perigosas e fala sobre pedido ao TJMA

O Blog do Jailson Mendes recebeu hoje, 13, uma nota do advogado João Batista Araújo Soares Neto, responsável pela defesa das irmãs Tainar e Tainara dos Santos, acusadas de assassinar a jovem Kelrry Daiana Mouzinho, em abril de 2019, na cidade de Matinha.

Defesa se manifestou sobre pedido feito ao TJMA para beneficiar irmãs / Foto: Divulgação

A nota vem após a matéria a respeito do pedido que a defesa para a retirada da tornozeleira eletrônica, negado pelo Tribunal de Justiça, reveja AQUI. Esta é a primeira vez que a defesa se manifesta a respeito do caso e disse que as duas não são ‘pessoas perigosas, criminosas, mas apenas se defenderam de injusta agressão’.

Confiram…

Nota da defesa das irmãs Tainar e Tainara dos Santos

Senhoras e senhores leitores do Blog do Jailson Mendes.

A defesa das cidadãs Tainar e Tainara dos Santos, após serem surpreendidas por notícias desencontradas publicada no blog em comento, vem respeitosamente perante Vossas Senhores expor e aclarar o que segue.

De início, cumpre salientar que não houve pedido algum de retirada de monitoramento eletrônico, mas, como chegado o prazo de 100 dias limite, o Desembargador relator, de ofício, reanalisa a medida.

Frise-se que no relatório da Seap houveram sim violações, mas que foram devidamente justificasse e a justificativa seguida pelo ministério público em seu parecer e pelo Magistrado em sua decisão, tanto que se assim não fosse, a prisão das mesmas seria novamente decretada.

Ademais, não houve soltura de nenhuma das duas em fevereiro desse ano, ambas foram postas em liberdade em 2019, um mês após o fato a Tainar, e, após a audiência de instrução e julgamento, a Tainara, onde a 3• câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão, por unanimidade, reconheceu a ausência de fundamentação da prisão, bem como que as pacientes não apresentavam periculosidade suficiente para mantê-las em cárcere, sendo suficientes a aplicação de medidas cautelares diversas da prisão.

Sendo assim, Tainar e Tainara não são pessoas perigosas, criminosas, mas apenas se defenderam de injusta agressão atual praticada pela vitimada, o que foi reconhecido na sentença de pronúncia, no entanto o Magistrado de base entendeu que seria matéria a ser analisada pelo júri.

Assim, está defesa Técnica manejou Recurso em Sentido Estrito ao Tribunal de Justiça, resultado que aguardamos com maior serenidade possível, visando estritamente a reforma ou anulação da decisão de pronúncia.

Eis, em suma, os fatos que gostaríamos de esclarecer, para que seja restabelecida a verdade.

Atenciosamente, agradecemos o espaço no Blog.

São Luís, Maranhão, 13 de agosto de 2020.

João Batista Araújo Soares Neto
Advogado Criminalista
OAB/MA 20.758

Nota do Blog

Esclarecemos que todas as informações foram retiradas da decisão publicada no Diário Oficial do Tribunal de Justiça do Maranhão, divulgadas nesta quarta-feira, 12, e que podem ser acessadas AQUI, na íntegra, e que mantém todas as informações publicadas na matéria de ontem.

8 respostas para “Em nota ao blog, advogado das irmãs Tainar e Tainara dos Santos diz que elas não são perigosas e fala sobre pedido ao TJMA”

  1. Então é assim, assassinos estão à solta, enquanto as vítimas são presas nos cemitérios? A justiça desse país é uma merda. Juízes trabalham para defender bandidos. Enquanto o povo permanecer inerte, isso vai continuar se repetindo

  2. Não são perigosas e andam munidas de armas, e qualquer desentediamento elas ficam a vontade pra ceifar a vida de alguém? Simplesmente porque estão sendo incomodadas. É isso mesmo? Faça-me favor prezado Advogado! Os leitores do Blog, do Jailson Mendes, são em grande parte intelectuais e não são influenciáveis por argumentos mal elaborados.

  3. Esse advogado deveria era criar vergonha na cara elas tiraram vida de um ser humano e ainda vêm dizer que não são perigosas 😠😠

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *