Artigo: O processo eleitoral do Fórum de Políticas Públicas da Juventude da Baixada Maranhense

Um leque abrangente de atores e instituições contribuiu para que o tema da juventude ganhasse destaque e especificidade tanto na esfera pública quanto nos desenhos de políticas em todos os níveis da administração.

Professores Ricardo Gonçalves e Itaan Santos

Participam desse processo, reivindicando a inclusão do tema da juventude na pauta política, novos atores juvenis, principalmente os de recorte cultural, em conjunto com organizações juvenis de atuação tradicional, tais como entidades estudantes e partidárias, distintas organizações da sociedade civil e outras vinculadas ás instituições de pesquisa e também setores da mídia interessados na temática da juventude.

Logo, esses conjuntos de atores que estavam debatendo as políticas de juventude chegaram a alguns consensos: i) da necessidade de avançar na compreensão conceitual sobre os jovens e a juventude; ii) da necessidade de conquistar outros setores da sociedade que ainda não se incorporaram ao debate; iii) da necessidade de que o tema da juventude ganhe a importância que o ECA conquistou na sociedade.

As redes e fóruns de juventude tiveram papel destacado no debate sobre as políticas públicas de juventude e contribuíram para a diluição do predomínio de uma lógica dominadora por grupos e organizações. Assim, as redes e fóruns introduzem novas práticas coletivas juvenis cujos traços mais expressivos se oriental para dimensões culturais e simbólicas e para o afastamento das formas tradicionais de organização social que caracterizaram os jovens.

É nessa perspectiva que a partir de julho de 2015, na cidade de Viana, as lideranças juvenis dos fóruns municipais do Território Campos e Lagos, criam o Fórum de Políticas Públicas de Juventude da Baixada Maranhense (FPPJBM). O FPPJBM tem abrangência regional e é composto por organizações sociais que têm foco de ação específica ou secundário nos jovens. Tem como objetivo articular e mobilizar a juventude dos territórios Campos e Lagos e Baixada Ocidental Maranhense na luta por políticas públicas.

Embora no seu regimento interno a abrangência seja os dois territórios citados, mais na prática o Fórum tem atuado com mais intensidade no Território Campos e Lagos. Atualmente, tem sido a principal institucionalidade organizativa dos jovens desse território. A partir da mobilização realizada pelo FPPJBM, os jovens têm participado de diversas conferências, seminários, reuniões, no território e fora dele, como na capital maranhense e em outros estados.

O Núcleo de Extensão e Desenvolvimento – LABEX / CCA / UEMA tem acompanhado e contribuído com o FPPJBM desde a sua fundação, até atualidade. Em momentos presenciais contribuiu, através de seus técnicos e professores, realizando oficinas, cursos, apoiando nos seminários, realizando o curso de Extensão Semipresencial em Agroecologia, dentre outras atividades.

Mesmo em tempos de isolamento social, o LABEX continua assessorando o FPPJBM. Tem contribuído, por meio dos professores Ricardo Costa e Itaan Santos, nos debates sobre o processo de renovação da diretoria do Fórum. A eleição primeiramente estava prevista para ser realizada no dia 29 (vinte e nove) de fevereiro, mas como poucos municípios tinham se sido mobilizados para participar do processo, a coordenação resolveu adia-lo, para o dia 28 de março.

Com o surgimento da pandemia do coronavírus (Covid-19), a coordenação novamente resolveu adiar a eleição para depois que passar todo esse processo de pandemia. A contribuição do Labex foi de suma importância para que os jovens entendessem a necessidade de adiar, novamente as eleições, pois seria muito perigoso aglomerar em um só lugar, mais de duzentas pessoas. Esse novo adiamento das eleições de renovação da diretoria do Fórum, para depois de póspandemia, permitiu que na coordenação abrisse um amplo debate sobre a necessidade de se ampliar para o máximo de municípios que compõem a base do Fórum, o processo eleitoral.

Também, permitiu que a coordenação do Fórum elaborasse uma minuta que estabelecesse os critérios para as instituições juvenis dos municípios participarem do processo eleitoral de renovação da diretoria. Esses debates aconteceram todos a distância, pelos grupos de whatsaap do Fórum, e teve a participação constante do Labex, que contribuiu bastante com os debates. A mobilização feita pela coordenação, mesmo à distância, surtiu resultado.

Conseguiram mobilizar dez municípios, que inscreveram 78 (setenta e oito), instituições que ainda serão filtradas pela coordenação do Fórum, conforme estabelece o Regimento Interno. O LABEX ao prosseguir com o trabalho com a juventude no território Campos e Lagos, mesmo que a distância, em tempos de coronavírus, permite que as atividades de extensão tenham continuidade com juventude, e que pós-pandemia possa retornar com toda a intensidade.

Ricardo Gonçalves, mestre em Estado, Governo e Políticas Públicas pela Faculdade Latinoamericana de Ciências Sociais; professor da Rede Estadual de Ensino do Maranhão; técnico do LABEX.

Itaan Santos, doutor em Agronomia pela Universidade Técnica de Lisboa; professor do CCA e do PPDSR/UEMA; gerente do LABEX.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *