Pandemia, reserva de R$ 50 mil e precariedade na saúde de São João Batista são temas do novo artigo de Luiz Figueiredo

As maiores tragédias da Humanidade

Afora os acontecimentos bíblicos com o dilúvio, destruição de Sodoma e Gamorra, as Dez Pragas do Egito, e mais recentemente desastres naturais, acidentes aéreos, tsunamis, terremotos, acidentes nucleares, incêndios, explosões de artefatos e foguetes, o ataque às Torres Gêmeas, enfim um sem número de desastres com muitas vidas ceifadas, tem abalado e traumatizado povos de várias nações.

Luiz Figueiredo, ex-prefeito de São João Batista

Nada porém marcou tanto o mundo quanto quatro grandes acontecimentos: a peste negra ou bubônica, a primeira e segunda guerras mundiais, e gripe espanhola pela quantidade mortes. No século XIV, entre os anos de 1347 e 1353, a peste negra dizimou quase metade da população mundial, estimada em quinhentos milhões naquela época. A doença teve inicio na China expandindo-se em direção à Pérsia e chegando à Europa através dos Portos de Veneza e Gênova.

A situação era dramática, aquela terrível doença causada por pulgas de ratos e outros animais roedores foi devastadora. Iniciava com dor no corpo, febre alta e tosse, e logo em seguida grandes bolhas pelo corpo que rapidamente se transformavam em grandes feridas, e a partir daí já não havia o que fazer, a morte era inevitável e rápida. Tudo isso entre três e sete dias.

A grande quantidade de corpos insepultos pela impossibilidade de realizar os enterros provocou outras doenças decorrentes da putrefação de tantos cadáveres amontoados. Acredita-se que foi a maior tragédia da humanidade porque não havia nem como socorrer tanta gente, não havia medicamentos eficazes e nada podia ser feito. Foi a primeira pandemia de que se tem notícia. A primeira e segunda guerras mundiais já bem mais recentes, no século XX, foram muito sangrentas e envolveram as principais potências mundiais.

Na segunda guerra mundial com o desenvolvimento de novos armamentos bélicos, inclusive aviões e portas aviões, e outros armas de longo alcance, batalhas foram bastante diferentes. O desfecho desse grande confronto entre nações foi uso da bomba atômica pelos Estados Unidos, que lançaram sobre o Japão destruindo as cidades de Hiroshima e Nagasaki. Este fato determinou a vitória dos países aliados contra os países liderados pela Alemanha de Hitler.

Vou aproveitar em virtude dos recentes acontecimentos para concluir este texto. Agora setenta e cinco anos depois, outro confronto mundial contra um inimigo perigoso e invisível, microscópico, contaminando todas as grandes potências, que não esperavam por esse ataque e estão enfrentando essa Guerra Diferente. Infelizmente já chegou a nossa pequena São João Batista ceifando vidas e contaminando alguns conterrâneos. Lamentavelmente não dispomos da mínima estrutura hospitalar para atender a quem viver a contrair o Coronavírus.

Muito louvável a iniciativa do vereador Cabeça, Presidente da Câmara Municipal ao doar RS 50.000,00 para aquisição de um respirador. Mas operacional o equipamento, não temos instalações adequadas, equipe médica capacitada, e que é necessário para esse tipo de atendimento. Ouvi o depoimento dramático e comovente da auxiliar de enfermagem Ana Bastos, dificuldade da transferência de um paciente para São Luís, com ambulância não adequada, estrada em péssimas condições e uma distância de duzentos e setenta quilômetros. Muita sorte se o paciente não vier a óbito.

Precisamos dar mais importância e prioridade, e investir bastante para que possamos dar melhor atendimento a nossa gente. Sempre me preocupei muito com isso chegando a construir dois hospitais, sendo um de cinquenta leitos e dois centros cirúrgicos. Com a perda do poder político não me foi possível conseguir os credenciamentos para colocá-lo em funcionamento, e a prefeitura perdeu a oportunidade de adquirir, por valor irrisório, esse prédio praticamente concluído para ampliar e melhorar a assistência médica.

Agora nos resta seguir as orientações das autoridades sanitárias: ficar em casa, usar máscaras e evitar aglomerações. Que Deus nos abençoe e proteja a todos.

Luiz Figueiredo, ex-prefeito de São João Batista

6 respostas para “Pandemia, reserva de R$ 50 mil e precariedade na saúde de São João Batista são temas do novo artigo de Luiz Figueiredo”

  1. Ahh! Que genio! Deveria receber um oscar por esse texto. VAi falar besteira assim em curral. Que q isso tem haver com esse virus? Tem cada paquiderme mesmo!

  2. Faz um artigo Luís, perguntando quanto foi gasto no Carnaval alternativo, e quem fez esse investimento inútil…Talvez vc não faça pq tudo nesse pequena Cidade se leva para o lado político, mas se vc fizer, a sociedade quer saber, pois o carnaval foi única e exclusivamente para satisfazer um mimadinho, que sempre quer aparecer de qualquer jeito. Será que foi o Governo do Estado quem fez? Será que foi os empresários coagidos? Enfim, esse dinheiro servia muito para amenizar o sofrimento do nosso povo..

  3. Francamente Luis Figueiredo com tanta plorixidade tu foi da Antártida ao Chuí e não disse nada de concreto, perdeu a oportunidade de ficar caladp

  4. Eta gente de minha querida são João
    Tem gente pra tudo
    O artigo tão importante e informativo tem gente pra criticar e mistura logo a danada da política
    Por isso é q não nai pra frente é como rabo de cavalo sai um entra outro, tudo no mesmo

  5. Farinha do msm saco ainda n teve um prefeito de sjb pra fazer algo pra melhorar a nossa querida sao João Batista q parece está abandonada vcs q já ex prefeito de sjb n eram nem pra falar nada pq ninguém faz nada em sjb

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *