Governo realiza hoje seminário para discutir migração e trabalho escravo na Baixada Maranhense

Em alusão ao dia 28 de janeiro, que marca o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, o Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop), realiza nesta terça-feira, 28, o seminário “Migração e Trabalho Escravo Contemporâneo –  reflexões sobre deslocamentos de trabalhadores da Baixada”.

Seminário será realizado hoje em São Luis

A pesquisa que será apresentada no Seminário é resultado do trabalho da professora doutora do Observatório do Mercado de Trabalho da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Flávia Moura, que irá facilitar o espaço.

A data foi criada em 2009 para homenagear Erastóstenes de Almeida Gonçalves, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva e o motorista Ailton Pereira de Oliveira, que foram assassinados em 28 de janeiro de 2004 durante inspeção para apurar denúncias de trabalho escravo em fazendas da região de Unaí (MG), episódio que ficou conhecido como Chacina de Unaí. De acordo com o código penal, o trabalho escravo moderno afeta não apenas o princípio da liberdade de ir e vir, mas afeta também as condições de dignidade da pessoa humana. Por isso, situações de trabalho forçado, jornada exaustiva, condições degradantes ou servidão por dívida são todas situações que caracterizam uma situação de trabalho em condições análogas à de escravidão.

Sobre a palestrante:

Flávia Moura é jornalista com mestrado em Ciências Sociais pela UFMA e doutorado em Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Tem pós-doutorado em Sociologia e Antropologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. É professora adjunta do Departamento de Comunicação e professora permanente do Programa de Pós-graduação em Comunicação/Mestrado Profissional da Universidade Federal do Maranhão.

É membro do Grupo de Pesquisa Trabalho Escravo Contemporâneo (GPTEC) e autora dos livros Escravos da precisão: economia familiar e estratégias de sobrevivência de trabalhadores rurais em Codó (MA) (EDUFMA, 2009) e Trabalho escravo e mídia: olhares de trabalhadores rurais maranhenses (EDUFMA, 2016) e organizadora de coletâneas na área da Comunicação, Educação e Ciências Sociais. Participa da Comissão Estadual de Combate ao Trabalho Escravo do Maranhão (COETRAE-MA) e desenvolve pesquisas na área de Comunicação, Trabalho e Migrações.

SERVIÇO

O que? Seminário “Migração e Trabalho Escravo Contemporâneo –  reflexões sobre deslocamentos de trabalhadores da Baixada”/
Onde: Centro de Ensino João Francisco Lisboa (Cejol)/
Quando: 28 de janeiro de 2018, às 14:30.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *