Confusão em Vitória do Mearim: prefeita Dídima é acusada de tentar colocar população contra vereadores

Prefeita Dídima

A prefeita de Vitória do Mearim, Dídima Coêlho, usou sua assessoria de imprensa para colocar a população da cidade contra os servidores e contra os vereadores do município. A câmara reagiu fortemente e disse que o Poder Legislativo não se curvará aos desejos do Poder Executivo.

A confusão foi feita após Dídima Coêlho enviar um projeto de reajuste salarial aos professores e, segundo os vereadores, queria pra ser votado um dia após o projeto chegar na câmara, sem que fosse dado um tempo para os parlamentares analisar a proposta. Uma nota da gestora tenta esclarecer a situação.

“A prefeitura de Vitória do Mearim esclarece que devido ao atraso da Câmara de Vereadores na votação do projeto de Lei número 001/2019 que garante o reajuste do piso salarial de 4,17% para 500 professores da Rede Municipal de Ensino, o pagamento das diferenças salariais a ser iniciado no mês de março, conforme acordo firmado com o Sindicato dos Professores – Sinproesemma, poderá sofrer alteração. Lamentamos o ocorrido e esperamos que a Casa Legislativa priorize o projeto que valoriza a classe e fortalece a nossa educação”, diz a nota expedida pela assessoria da prefeitura.

Logo em seguida, o presidente da câmara, George Maciel, reagiu. “O projeto chegou na quinta-feira e na sessão do dia seguinte, o projeto foi encaminhado às comissões permanentes para análise e parecer, e inclusive os representantes sindicais da classe foram convidados a participar da análise do referido projeto. Não se sustenta, portanto, a nota emitida pela prefeitura na qual diz que a Câmara está atrasando a tramitação do mesmo”, disse.

O chefe do Poder Legislativo vitoriense disse ‘que é prática comum do Executivo enviar à Câmara Municipal propostas de leis um dia antes das sessões para serem analisadas e aprovadas no dia seguinte, sem as devidas análises pelas comissões e até mesmo sem tempo para os vereadores tomarem conhecimento do que estão a aprovar’.

O representante da categoria, professor Aldo Cesar, também saiu em defesa da tramitação correta do projeto. Em conversa com o Blog do Jailson Mendes, ele disse que a luta é para garantir que todos tenham seus salários reajustados e não somente 500 professores, como quer a prefeita Dídima.

Vejam as duas notas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *