Potencial empreendedor da Baixada Maranhense está em discussão neste momento

O município de Viana sedia hoje (10), o Seminário de Potencialidades Empreendedoras da Baixada Maranhense. O evento, idealizado e realizado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), em parceria com outras instituições de fomento, vai discutir o potencial turístico e empreendedor da Baixada Maranhense, especialmente da região dos lagos e campos floridos. O seminário tem a coordenação logística da Unidade Regional do Sebrae em Santa Inês, com apoio regional em Pinheiro, e vai discutir temáticas em três grandes painéis: “Turismo, Cultura e Recursos Naturais como Potencial de Inclusão Socioprodutiva”, “Desenvolvimento e Integração de Atividades Econômicas com Foco na Produção Associada ao Turismo, Comércio e Serviços” e “Infraestrutura como Fator de Desenvolvimento Territorial”.

“Estamos otimistas quanto à realização desse evento, que nasceu de demandas da sociedade civil organizada da área. Esperamos que os debates gerem subsídios para o desenvolvimento socioeconômico da região, que tem grandes potencialidades, com vocações produtivas para agronegócio, comércio e turismo”, aponta o diretor superintendente do Sebrae no Maranhão, João Martins. Os painéis terão participação do poder público federal, estadual e municipal, lideranças empresariais e rurais e sociedade civil organizada. Para realizar o evento, o Sebrae conta com o apoio da Prefeitura de Viana e dos demais municípios dos Campos e Lagos e Baixada Maranhense, além da Secretaria Estadual da Cultura e Turismo e regional do Polo Turístico dos Lagos e Campos Floridos.

Também apoiam o Sebrae Fórum em Defesa da Baixada Maranhense, Organização não Governamental (ONG) Arariba, Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Administração das Hidrovias do Nordeste. Berço de paisagens inesquecíveis, a região da Baixada Maranhense destaca­se pela beleza de seus campos alagados, sua história, gastronomia e folguedos, sendo cenário ideal para se desenvolver os mais diversos tipos de turismo.

A região faz parte da seleta lista da Convenção sobre Zonas Úmidas (Ramsar) como uma das áreas úmidas de relevância planetária. Não é para menos: a região fluvio­lacustre­marítima reúne campos naturais, resquícios de matas amazônicas e pré­amazônicas, mata dos cocais, cerrados, babaçuais, lagos, rios, estuários e manguezais que se espalham por vários municípios maranhenses. Os incontáveis lagos alimentados por rios e igarapés extravasam na época das chuvas e inundam boa parte dos campos naturais e matas, formando várzeas e igapós que se assemelham às da Bacia Amazônica, à Ilha do Marajó e ao Pantanal Mato­Grossense.

A Baixada, que é o maior conjunto de lagos e lagoas naturais do Nordeste, marca, com o Golfão Maranhense (Ilha de São Luís e municípios circunvizinhos), o encontro entre os ecossistemas amazônicos e a mata dos cocais ou de transição. A região, berço do Bumba­Boi Sotaque da Baixada (ou Pindaré), também é um dos grandes celeiros da cultura maranhense e a bela cidade histórica de Viana ostenta um casario colonial preservado, vielas e igrejas à beira do lago de mesmo nome. A Baixada Maranhense é uma região fluvio­lacustre­marítima, que reúne campos naturais, resquícios de matas amazônicas e pré­-amazônicas, mata dos cocais, cerrados, babaçuais, lagos, rios, estuários e manguezais que se espalham por vários municípios. Fonte: O Estado

Folha de SJB

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *