CAMINHADA MARCA O DIA MUNDIAL DE COMBATE A AIDS EM SÃO JOÃO BATISTA

Uma caminhada marcou o Dia Mundial de Combate a Aids em São João Batista. O evento foi realizado pela Prefeitura Municipal, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, comandada pelo secretário Carlos Figueiredo, e coordenado pela secretária adjunta e coordenadora da Atenção Básica, Ediane Rios, e foi realizado no último dia 02 de dezembro. A caminhada aconteceu da Praça do Viva até a Praça de Eventos. Lá, além de serviços oferecidos pela pasta, a Superintendência de Cultura realizou uma programação cultural envolvendo os alunos que participaram da movimentação. O dia 1° de dezembro é o dia mundial de combate à AIDS, mas aqui em São João Batista foi lembrado no dia 02.


A AIDS é uma doença que ataca o sistema imunológico do homem, permitindo que seu organismo fique fragilizado, podendo ser contaminado com o vírus de várias outras doenças. O vírus responsável pela doença é o HIV (vírus humano da imunodeficiência), fazendo da AIDS a quarta doença que mais causa morte no mundo. Instituído no final da década de oitenta, o dia primeiro de dezembro une pessoas do mundo todo a fim de fazer um manifesto de conscientização sobre a doença e seus maiores problemas.

As formas de contágio são através de uso compartilhado de seringas, alicates de unha, instrumentos não esterilizados que furam e cortam, gravidez de mulheres infectadas e, principalmente, relações sexuais. As transfusões de sangue também são uma forma de contágio, mas no Brasil este risco chega a quase zero. Porém, tivemos casos de milhares de pessoas infectadas dessa maneira, como o caso do sociólogo Herbert José de Sousa, o Betinho, que em 1986 foi contaminado em razão da hemofilia. Numa triste história, seus dois irmãos, Henfil e Chico Mário, faleceram da mesma maneira no ano de 1988.

Com isso, foram criadas campanhas de defesa aos direitos dos portadores do vírus HIV, fundando-se a Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS. Segundo informações do ministério da saúde, no Brasil, entre 1980 e 2007, foram constatados mais de 470 mil casos de contaminação. No âmbito mundial, a contaminação chega a sete mil e quinhentos casos por dia, sendo que até o fim de 2007 os casos atingiram trinta e três milhões de pessoas, por dados da Organização Mundial de Saúde.
Os principais sintomas da doença são: diarreias, herpes, infecções cerebrais e o aparecimento de câncer. Além desses, como o organismo da pessoa infectada encontra-se muito fraco e debilitado, surgem outras doenças como gripes, pneumonia, tuberculose, meningite e demência – já em estágio bem mais avançado. O tratamento da doença é feito através de um coquetel de drogas, descoberto em 1995. Porém a medicação, por ser muito forte, causa efeitos colaterais como a diminuição das disfunções renais e do fígado. Além disso, os pacientes necessitam de acompanhamento médico constante, além de auxílio nas áreas da psicologia, psiquiatria, serviço social, nutrição e outras.


Folha de SJB

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *