COLUNA DO PASTOR GILDO: JOVENS, ALEGRIA DA NAÇÃO

Acreditando no futuro da juventude no contexto mundial, a Assembleia Geral da ONU instituiu o dia 12 de agosto como dia Internacional da Juventude em 1999. A comemoração pretendia dar mais visibilidade aos problemas enfrentados pela juventude, tais como a educação de baixa qualidade, más condições de vida, desrespeito aos direitos do cidadão, etc; estimulando o comprometimento de toda a sociedade com a causa.
Pastor Gildo Lopes
Acreditando igualmente na potencialidade jovem, a presidente Dilma Rousseff, sancionou dia 5 de agosto de 2013, o “Estatuto da Juventude” quando se materializou uma nova conquista. Agora a mocidade tem amparo legal e jurídico, pois o texto define princípios e diretrizes para o fortalecimento e a organização das políticas da juventude, assegurando ainda mais o direito a alimentação, renda, educação, saúde, transporte, profissionalização, lazer, religião, política, eventos culturais e esportivos, respeito, liberdade, convivência familiar e comunitária. 

O legal é que entre os direitos conseguidos e garantidos, o estatuto reconheceu como jovem quem tem entre 15 e 29 anos de idade. O texto também contempla a criação do sistema nacional da Juventude, que reúne os conselhos municipais, estaduais e o nacional, responsáveis por formular, desenvolver e implementar políticas públicas para os jovens. É bom demais ver jovens promissores cheios de fé se organizando, adultos se mobilizando a favor da causa e vontade política, produzindo novos raios de vida para a sociedade.

Acreditando também na força da juventude, a Bíblia mostra a historia de um jovem denominado Davi, que embora não tivesse amparado por um estatuto como o mencionado acima, como cidadão israelita tornou-se um jovem promissor. Muito bem, quem é esse Davi? Davi significa “amado”; era um jovem belo, de pequena estatura, forte, corajoso, prudente ao falar, e que sabia o que queria da vida. Como todo jovem, ele enfrentou grandes perigos e adversidades na vida, tendo lutado com leões, ursos e enfrentado muitos lobos quando trabalhava como pastor de ovelhas. 

Esse moço tinha muitas habilidades, exerceu o talento de escrever versos, foi poeta, tinha o prazer em ouvir música e tocar instrumentos musicais, foi músico, gostava de louvar e adorar a Deus, foi chamado o cantor de Israel, era um estrategista militar, foi um grande guerreiro, tinha a politica nas veias, governou as doze tribos de Israel, amava muito o Senhor e dependia em tudo dele, por isso foi chamado homem segundo o coração de Deus. Embora fosse uma pessoa espiritual, foi intensamente humano, e exibia a ampla gama de expressões morais de que o coração humano é capaz. Assim ele conseguiu seus objetivos, chegou às profundidades e alcançou as alturas. Não foi por acaso que se tornou rei de seu povo.

A lição recebida é que jovens vibrantes bem sucedidos na vida e tementes a Deus, encontram coragem moral e espiritual para dizer “NÃO” à corrupção, à violência, às drogas, ao sexo irresponsável, ao desamor e às injustiças porque recebem forças do céu para resistir, vencer e transformar o mundo. Apesar de muitos não terem às oportunidades que merecem, não há como não acreditar na vitalidade e no entusiasmo dos nossos jovens principalmente quando unem suas forças, objetivos e fé a fim de concretizarem seus sonhos.

“O jovem é a alegria da família, da escola, da igreja, da cidade e da nação”.

Folha de SJB

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *