Delegado e Polícia Militar descartam suspeita de homicídio em cadáver encontrado em São João Batista

O delegado de Polícia Civil de São João Batista, Mateus Ferraz, informou ao Blog do Jailson Mendes que não encontrou nenhum sinal que possa levar a suspeita de homicídio em um cadáver encontrado hoje no Conjunto Paulo VI, zona urbana do município.

Populares suspeitavam de homicídio

Por volta das 6 horas da manhã desta quinta-feira, 26, familiares encontraram o corpo de Valtemir Costa Ribeiro, de 33 anos, que morava na Rua Nova, em São João Batista. Pelo sinais de morte, tanto a Polícia Civil como a Polícia Militar disseram que a suspeita é suicídio.

Segundo as informações chegadas ao Blog do Jailson Mendes, havia uma suspeita que poderia ser homicídio, o que foi totalmente descartado pelas autoridades policiais.

Liberação do corpo

Em um Boletim de Ocorrência enviado ao blog, a Polícia Militar informou que os próprios familiares removeram o corpo do local, depois que foram à Delegacia de Polícia e não conseguirem contato com os policiais, e o levaram ao Hospital Municipal. Chegando lá, ainda segundo a polícia, a família disse não tinha médico, que resolveram levar o corpo sem um laudo e que só após isso a polícia chegou à unidade de saúde.

A polícia informou também que foram na casa da família e que o corpo já estava dentro de um caixão. ‘A guarnição juntamente com o delegado realizou diligências no local do ocorrido e de acordo com a observação do corpo e do local do fato, viu-se tratar de suspeita de suicídio em virtude de a vítima já ter atentado contra a própria vida varias vezes anteriormente e a corda utilizada era de propriedade da mesma’, diz o boletim.

Em conversa com o blog, a direção do Hospital Municipal disse que realmente não tinha médico no momento em que o corpo deu entrada, mas que logo em seguida o profissional chegou e a vítima ainda estava no hospital. Ainda segundo a direção, eles não liberaram o corpo por que estavam aguardando a Polícia Militar chegar para procedimentos e autorização para emitir o laudo cadavérico e que mesmo assim a família teria resolvido levar o corpo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *