Publicidade

UM BRASIL ANTES E DEPOIS DA COPA, POR BATISTA AZEVEDO

| 0 comentários

Estamos às vésperas de mais uma copa do mundo. A primeira do século 21 a ser disputada aqui no Brasil. Nossa última copa fora em 1950 e já se vão 64 anos. Eram tempos remotos. Nesse tempo, o Brasil tinha apenas 52 milhões de habitantes, dos quais metade era analfabeta, segundo o IBGE, e a Fifa tinha apenas 34 países inscritos – desses somente 13 jogariam a Copa. O Brasil contava com poucos estádios de futebol, mesmo já sendo este uma paixão nacional. A preocupação também era pertinente à época, com as condições das nossas praças esportivas.
Ainda que se tivesse o empenho do presidente Eurico Gaspar Dutra nenhum estádio ficou pronto no tempo estabelecido pela FIFA, que diga-se de passagem, estabelecia como única exigência o “padrão fifa” somente aos estádios de futebol. Mas o Brasil precisava demonstrar que era um país em franca expansão. E a copa aconteceu, com um desfecho que até então parecia improvável. O Brasil emudeceu diante de uma derrota para a seleção do Uruguai.
Agora, estamos diante de mais um dilema. Temos que realizar a copa do mundo, e ao que parece as coisas não estão nos eixos. Muita coisa ainda precisa ser feita para atender as exigências da FIFA no que concerne a estádios, aeroportos, transportes, segurança, telecomunicações, mobilidade urbana, enfim, a uma estrutura que atenda à grandeza do evento. Os gastos extrapolaram a nossa inocente ideia. Os números são imprecisos, mas o meio esportivo e econômico fazem a conta de que cerca de que 28 bilhões de reais serão gastos até o fim da copa. Será a mais cara copa do mundo já realizada.
Diante de tal fato não é de se admirar que o povo brasileiro, ainda que goste de futebol, tenha ido recentemente às ruas reclamar por mais recursos para uma educação de qualidade, saúde de qualidade, melhoria nos transportes públicos e por mais segurança. Afinal é muito dinheiro que está sendo empregado para uma festa que poucos serão convidados ou estarão presentes. Já imaginaram quanto poderia se fazer pela educação e pela saúde deste país com tantos bilhões? Se ganharmos a copa do mundo, certamente cairemos na festa. Gritaremos a nossa supremacia no futebol mundial. Ainda que os nossos problemas crônicos permaneçam, mesmo assim estaremos jubilosos pela conquista de mais um caneco. Seremos hexacampeão do futebol mundial. Mas e se perdermos?
Certamente o Brasil será outro. É possível que o gigante acorde novamente, e que o povo cobre do próprio governo a conta que lhes será imputada. De qualquer forma a copa do mundo servirá entre outras coisas para expor as nossas mazelas ao mundo. A corrupção já anunciada nos superfaturamentos dos estádios será o nosso maior “souvenir”, e haveremos de mostrar ao mundo, com certeza, o nosso “jeitinho brasileiro”.

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.