Publicidade

SÃO JOÃO BATISTA, SEM ÁGUA

| 1 Comentário

“… Lata d’água na cabeça, lá vai Maria, lá vai Maria, Sobe o morro e não se cansa, pela mão leva a criança, Lá vai Maria…”

Este sambinha dos antigos carnavais foi gravado em 1952 pela cantora Marlene.  Desde então sempre é cantado ou batucado no período carnavalesco. Algum saudosista vez por outra entoa esse “… lata d’água na cabeça”.
Mesmo sendo uma motivação de mais de 70 anos atrás, o enredo continua bastante atual nos dias de hoje em São João Batista. Tudo por conta da alta estiagem que assola o município e da falta de vontade política dos governantes em resolver o problema da falta de água  em nosso município.
Senão vejamos: há mais de 04 (quatro) meses na sede de São João Batista não dá água nas casas. Nem um chiado se ouve nas torneiras. E as pessoas se perguntam: O que é que está acontecendo? Cadê o poder público que não toma uma providência?
Sabe-se que vivemos o milênio da escassez desse líquido tão precioso. E em particular aqui em nosso município, sobretudo na sede, é crescente a demanda populacional. São mais famílias a necessitar da água potável. E o que fez até hoje os governos municipal e estadual para atender a esta demanda? Absolutamente nada, ou quase nada que venha a sanar este drama. Algumas ações ainda que pontuais foram feitas pelos prefeitos ao longo desse tempo, como concertos de bombas, manutenção nos poços, etc. Quem não dá um “prego” mesmo é a Companhia de Saneamento, a fulana CAEMA.
Se na sede a situação é ruim, imagine como não estão os moradores das áreas altas, dos campos, onde a estiagem é mais intensa e a água é mais escassa e nunca fora de boa qualidade. A situação é dramática e requer ação imediata das autoridades.
Um novo estudo técnico do lençol freático, a escavação de novos poços de grande profundidade que possibilite o abastecimento de densas áreas populacionais, e a manutenção e limpeza dos poços já existentes podem ser algumas das providências a serem tomadas imediatamente pela nova administração. Já na área dos campos a construção de novos açudes e barragens, bem como a escavação de tanques, podem ser a solução imediata e paliativa até que projetos mais definitivos sejam concebidos e executados. O certo é que algo precisa ser feito.
Esta situação também deve nos chamar a atenção para  a preservação imediata de áreas verdes e de fontes naturais, vertedouros, alagadiços, etc. E isto deve ser uma preocupação dos novos legisladores municipais, com a devida aquiescência das demais autoridades afeitas à preservação do meio ambiente, inclusive do Ministério Público.
Assim esperamos, para que então “Lata d’água na cabeça”, não seja uma imagem do nosso tempo, mas apenas uma música de outros carnavais. Fonte: SJB Online.
NotaO Ministério Público Estadual, pela promotora signatária, no uso de suas atribuições legais e nos termos do artigo 129 da Constituição Federal, propôs ontem uma Ação Civil Pública contra a Companhia de Águas e Esgotos do Maranhão, em São João Batista. A informação foi passada com exclusividade ao Blog Folha de SJB pela promotora da cidade, Maria do Nascimento Carvalho Serra.
A ação foi ajuizada ao juiz de direito da Comarca de São João Batista, Alexandre Moreira Lima. De acordo com a promotora titular da cidade, “é público e notório que os moradores/consumidores de São João Batista estão, há vários meses, sem fornecimento regular de água em suas residências, postos médicos, escolas e estabelecimentos comerciais. Tal situação está afetando todos os moradores, de um modo geral, na cidade, mas especialmente aqueles residentes na zona rural, e na zona urbana desta cidade, ou seja, toda a população. 
Fonte: Folha de sjb  

EQUIPE DE REDAÇÃO DO BLOG DA AGÊNCIA DE SJB

One Comment

  1. Essa imprestável CAEMA, empresa de quinta, deveria agir imediatamente para sanar esse problema.
    Temos como maior reserva de água o aquífero Guarani. Perfurem-no. O Maranhão tem grandes bacias hidrográficas. Por que não as exploram e entreguem água boa e potável aos joaninos?
    Agora, a conta chega toso os meses. Vou ajuizar uma ação contra essa empresinha chamada CAEMA.

    Antônio Robson Pinheiro e família

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.