Publicidade

Quilombola recebeu quatro tiros na comunidade do Charco e crime pode ter sido por encomenda

| 0 comentários

Raimundo Silva, morador da comunidade quilombola conhecida como Charco, foi encontrado morto no último dia 12. A comunidade quilombola se localiza na cidade de São Vicente Ferrer, na Baixada Maranhense. A polícia já confirmou que Raimundo foi assassinado. Seu corpo foi encontrado por familiares próximo a um rio, com quatro tiros.  Todas as características apontam para crime de encomenda feito através de uma tocaia.

Comunidade do Charco

Raimundo, também conhecido como “Umbico”, havia recebido um dinheiro das mãos de uma pessoa da comunidade momentos antes de ser assassinado. No entanto, nada foi roubado e o dinheiro foi encontrado no bolso. O quilombola era uma das figuras de destaque do Charco e cunhado de Zilmar Mendes, líder da comunidade. Na região há grandes conflitos de terras que já resultaram na morte do líder quilombola Flaviano Pinto Neto, em 2010.

Foi Flaviano quem impulsionou a criação do Moquibom (Movimento Quilombola do Maranhão) e a formação da associação da comunidade, cuja primeira luta foi garantir o acesso livre à terra. Apesar da comunidade existir há mais de 150 anos, nas últimas décadas fazendeiros se apropriaram de seus territórios e cobravam o “foro”, uma taxa de ocupação. Quem não pagasse tinha suas plantações e roçados destruídos, além de sofrer ameaças de jagunços. Flaviano e os moradores do Charco sabiam que eram os legítimos donos da terra e se recusaram a pagar a taxa.

No dia 30 outubro de 2010, Flaviano foi assassinado por pistoleiros após sair de uma reunião. “Só deu tempo de eu chegar em casa e ouvir os tiros, quando a gente foi pra lá já achou ele morto com 7 tiros na cabeça. Ele tava com o documento da associação tudo debaixo do braço“, explica Zilmar, que também era sobrinha de Flaviano.  Desde o assassinato, a comunidade luta por justiça. Mas em 2015, os fazendeiros acusados de serem os mandantes do crime, foram absolvidos pela justiça.

A  CSP-Conlutas está tomando todas as providências no sentido de apoiar material e politicamente a comunidade quilombola do Charco e exigir a mais ampla apuração de mais um crime bárbaro no campo brasileiro. Além disso, neste difícil momento de dor para a comunidade do Charco, os ativistas de central e do PSTU prestam a mais sincera solidariedade a todos os quilombolas e a família de Raimundo.

Folha de SJB

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.