Publicidade

População de São Vicente Ferrer fará manifestação para cobrar informações sobre desaparecidos no Rio Amazonas

| 1 Comentário

A população da cidade de São Vicente Ferrer está organizando uma manifestação para cobrar notícias sobre as 9 pessoas que continuam desaparecidos após um rebocar naufragar no Rio Amazonas. Uma semana após a colisão entre duas embarcações de grande porte no rio Amazonas, no município do Óbidos, no Pará, as nove pessoas que estavam a bordo ainda não foram localizadas.

Marcelo Reis, natural de São Vicente Ferrer

Entre os nove desaparecidos está Marcelo Reis, graduado em História e natural da cidade de São Vicente Ferrer, na Baixada Maranhense. Nesta segunda-feira (7), os agentes conseguiram identificar com um scanner o local que a embarcação está naufragada, mas como se tratar de uma região de difícil acesso, ainda não foi possível removê-la. A Marinha também informou que a empresa Mercosul, dona do navio mercante, entregou as gravações do Voyage Data Recorder (VDR) que auxiliarão na conclusão do Inquérito Administrativo já instaurado pela Capitania.

Com VDR será possível obter diversas informações do navio, incluindo rumo, velocidade, posição pelo GPS (Sistema de Posicionamento Global), regime das máquinas e gravação das conversas na torre de comando. As causas do acidente só serão divulgadas depois da conclusão do inquérito. Mas isso não tem tirado o sossego dos familiares, que até agora aguardam por notícias mais claras das empresas e das autoridades competentes.

Por isso, amanhã a tarde, por volta das 15 horas da tarde, a população de São Vicente Ferrer sairá às ruas para pedir informações e que as autoridades competentes intensifiquem as buscas as desaparecidos. “Queremos solução  hoje mas caso contrario, realizaremos a passeata amanha a partir das 15 horas com concentração  na Praça Raimunda correia em São Vicente Férrer, com todos trajando branco.  Vamos reivindicar em prol desse resgate e cobrar manifestação  da Bertoline, Marinha, Direitos Humanos, governo federal, etc. Não  suportamos mais esse despreparo e esse descaso. São  9 vidas nove filhos, amigos la dentro”, disse Rosilayne Penha, uma das organizadoras da manifestação.

“Peço  novamente quem puder contatar com a imprensa que faça isso. Não  vamos nos calar.Estamos organizando uma caminhada em forma de manifestação  para mobilizar órgãos públicos, imprensa, o que for para que intensifiquem o resgate dos 9 desaparecidos. Precisamos que alguem entre em contato com as  emissoras  para que possamos atingir o maior numero de pessoas. Não suportamos mais esse despreparo e esse descaso. São  9 vidas nove filhos, amigos la dentro. Peço  novamente quem puder contatar com a imprensa que faça isso. Não  vamos nos calar”, finalizou.

Sentidos opostos

O acidente aconteceu na última quarta-feira, por volta das 4h30 quanto o empurrador de um comboio de balsas da Bertolini colidiu com o navio mercante Mercosul Santos. Segundo o comandante da Capitania de Santarém, Ricardo Barbosa, o comboio da Bertolini saiu de Porto Velho (RO) com destino à Santarém, e transportava uma carga de milho. Já o navio mercante, saiu do porto de Suape, em Recife (PE), com destino à Manaus. A embarcação transportava carga geral em containeres. Apesar da proporção do naufrágio, a capitania informou que não há informações sobre vazamento de óleo ou qualquer outro dano ambiental causado após o acidente. E, de acordo com o Corpo de Bombeiros, a região onde aconteceu o acidente o rio Amazonas tem profundidade de até 70 metros, o que pode dificultar as buscas.

Famílias

Os familiares das vítimas acompanham o andamento das buscas, em Óbidos. De acordo com a Marinha, uma comissão de quatro pessoas (familiares das vítimas) foi formada para receberem informações diariamente dos órgãos envolvidos. O comandante da Capitania Fluvial de Santarém, Ricardo Barbosa, explicou que se, em alguns momentos os familiares que acompanham as buscas não veem os bombeiros e nem a lancha da capitania, isso se deve ao fato de que a varredura  está sendo feita em vários pontos, conforme o sentido da correnteza.

O comandante do 4º Grupamento de Bombeiros Militar, tenente-coronel Luiz Cláudio, também disse que a falta de nitidez da água e a forte correnteza dificulta no trabalho das buscas. O empurrador da empresa Bertolini, que naufragou depois do acidente, também continua submerso. Mesmo com uma força-tarefa formada por mergulhadores do Corpo de Bombeiros, agentes das polícias Federal e Militar , além de embarcações regionais, a operação tem se mostrado complexa devido a falta de nitidez das águas do rio Amazonas, além da forte correnteza. De acordo com a Marinha do Brasil, as buscas pelos sete tripulantes e dois passageiros continuam.

Folha de SJB

One Comment

  1. Sinto me consternada com tamanha tragédia ..que Deus possa confortar a família e amigos das vítimas…precisamos ir em busca de respostas e que a justiça seja feita …

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.