Publicidade

Morre Batista Souza, ‘a voz que falava e cantava mais alto em São Vicente’

| 1 Comentário

Batista Souza

Morreu ontem, 20 de abril, o maior comunicador da cidade de São Vicente Ferrer e um dos que mais se destacaram na tradicional comunicação no Maranhão, Batista Souza. Se calou ‘a voz que falava e cantava mais alto naquela cidade’.Segundo o blog colheu, Batista era de família tradicional vicentina, tinha um alto falante que divulgava diariamente festas, datas comemorativas, contava histórias e chegava até a cobrir as sessões da Câmara de Vereadores. Era o maior nome da cultura de São Vicente Ferrer.

Em diversas homenagens ao Batista Souza, que era primo do senador João Alberto, destacamos a do professor Marcondes Serra, que morou por diversos anos próximo a ele. “Você foi, sobretudo, o símbolo da irreverência e da descontração em fazer comunicação, engraçada, satírica, espirituosa, mas com ingredientes de seriedade, pois se voltava à realidade de forma especialíssima e oportuna. Melhor do que ninguém, durante décadas e décadas, soube traduzir as alegrias e os reclames vicentinos, sem perder uma data, um feriado e lembrando-nos as origens e homenagens, de forma ímpar, inigualável”, escreveu em sua página o professor.

Dono de um alto falante que durou mais de 30 anos, até poucos meses Batista ainda o usava e, entre milhares de curiosidades sobre a figura irreverente, um detalhe: ‘a voz que falava e cantava mais alto’ guardava consigo uma árvore típica da África, chamada Baobá, que segundo ele só tinha três no Brasil, e uma dessas era no seu quintal, em São Vicente Ferrer.

“A comunicação perde um de seus símbolos, perde um de seus espaços mais importantes no dia-a-dia. São Vicente perde o seu mais ativo e apaixonado defensor e propagador, e o povo perde a diversão de uma voz do jornalismo popular, muito pessoal e atípico, pois Batista conseguiu se estabelecer de sua forma, de seu jeito, com suas frases e referências, sem as regras do jornalismo formal, mas popularíssimo, aplaudido ou criticado em tudo quanto fazia, porque era exatamente o que buscava com sua indômita irreverência. A morte do comunicador nato deixa uma profunda lacuna na cultura vicentina e todos ficamos muito tristes, porque era um exemplo de pessoa entusiasta e que muito contribuiu para o despertar e continuidade do valoroso amor pelo torrão natal e especial atenção para o desenvolvimento de sua querida terra, da democracia e cidadania vicentina”, terminou Marcondes.

Segundo o que o blog colheu, o corpo do radialista chegou hoje em São Vicente, onde deverá ser enterrado.

Folha de SJB

One Comment

  1. A família Souza agradece a todos que participaram junto conosco dessa grande manifestação de pesar. Que Deus o tenha em bom lugar.

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.