Publicidade

IPI DE SÃO JOÃO BATISTA COMEMORA 111 ANOS DA IGREJA NO BRASIL

| 0 comentários

A I Igreja Presbiteriana Independente do Brasil em São João Batista comemorou na semana passada 11 anos da IPI no país. As comemorações foram realizadas na sede da igreja e alguns povoados, com destaque para o povoado Beirada, onde um grande cultou mobilizou dezenas de pessoas.
O evento foi comandado pelo pastor Gildo Lopes e contou com a participação de fiéis e moradores do povoado. De acordo com as informações passadas ao Portal Folha de SJB, no povoado já c0meçou a ser construída uma congregação da IPI, e já está, inclusive, aberto o período de doações.
111 ANOS DA IPI NO BRASIL
A Igreja Presbiteriana Independente do Brasil (IPI), surgiu em 1903como uma denominação totalmente nacional, sem vinculação com igrejas estrangeiras. Resultou do projeto nacionalista do Rev. Eduardo Carlos Pereira (1856-1923), que entrou em conflito com o Sínodo da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB) em torno das questões missionária, educacional e maçônica. Em 1907, a IPI tinha 56 igrejas e 4.200 membros comungantes. Fundou um seminário em São Paulo. Em 1908 foi instalado o seu Sínodo, inicialmente com três presbitérios; em 1957 foi criado o Supremo Concílio, com três sínodos, dez presbitérios, 189 igrejas locais e 105 pastores. O Estandarte, fundado em 1893, é até hoje o jornal oficial. Conta com 3 Seminários Teológicos, nas cidades de São Paulo, Londrina e Fortaleza.
A Igreja Presbiteriana Independente do Brasil foi fundada na noite de 31 de julho de 1903 por um grupo de sete pastores e três presbíteros, que deixaram o sínodo da então Igreja Presbiteriana do Brasil. Foram liderados por Rev. Carlos Eduardo Pereira, para formarem a “Egreja Presbyteriana Independente Brazileira” (ortografia da época). No dia seguinte organizaram-se oficialmente como “Presbitério Independente”. Os outros seis pastores fundadores foram: – Alfredo Borges Teixeira – Bento Ferraz – Caetano Nogueira Jr. – Ernesto Luis de Oliveira -Vicente Themudo Lessa.
A Igreja de Eduardo Carlos Pereira envolveu-se verdadeiramente com a questão que os afligia, o fato de não existir uma preparação adequada para os pastores, a Igreja precisava de pastores que fossem preparados de acordo com o contexto do povo brasileiro, o que não acontecia até então. Em 1898 com a publicação de artigos em “O Estandarte” sobre a incompatibilidade entre a maçonaria e fé cristã aumentou a divergência entre este grupo e a Igreja Presbiteriana do Brasil, levando a separação e a criação da IPIB – Igreja Presbiteriana Independente do Brasil.
A IPIB nos dias de hoje, é muito conhecida pela força do seu trabalho leigo, (trabalho realizado por membros discentes da Igreja). O trabalho leigo se divide em segmentos, como Ação Social e Secretária da Família. O trabalho de ação social é hoje o que conhecemos como trabalho diaconal, que dá assistência a comunidade em geral, membros e não membros da Igreja, como realização de projetos das Igrejas locais, como doação de cestas básicas a famílias carentes e etc. O trabalho da Secretaria da Família é realizado entre Adultos com a Coordenadoria Nacional de Adultos, Jovens com a União da Mocidade Presbiteriana Independente, Adolescentes e Crianças,como realizações de congressos, acampamentos, para comunhão, educação e discipulado da Igreja em nível local, regional e nacional.
Folha de SJB

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.