HOMENAGEM AO DIA MUNICIPAL DO TAMBOR DE CRIOULA

Ontem, 18 de junho, foi o Dia Municipal do Tambor de Crioula em São João Batista. A data foi instituída durante a administração do ex-prefeito Eduardo Dominici, mais precisamente em 2006, mais desde então vem passando em branco pelas administrações que lhe sucederam. Este ano não foi diferente, não teve nada para comemorar o Dia Municipal do Tambor de Crioula, apesar da coordenadora de Igualdade Racial, Ana Marcia, lembrar da data, homenageando aqueles que ainda mantém viva esta tradição em São João Batista. A militante e ativista chegou até a organizar uma possível apresentação do Tambor de Crioula Alegria de São Benedito, comandado pela também incentivadora da cultura, Dona Teodora, mais como integrantes da brincadeira não chegaram a tempo, não puderam se apresentar. E como responsável direta pelo dia, a Secretaria Municipal de Cultura não fez absolutamente nada, deixando passar em branco uma das tradições mais importante de nossa terra, que é o Tambor de Crioula.
Tambor de Crioula de Dona Teodora
O Tambor de crioula é uma dança de origem africana praticada por descendentes de escravos africanos no Maranhão, em louvor a São Benedito, um dos santos mais populares entre os negros. É uma dança alegre, marcada por muito movimento dos brincantes e muita descontração. Os motivos que levam os grupos a dançarem o tambor de crioula são variados podendo ser: pagamento de promessa para São Benedito, festa de aniversário, chegada ou despedida de parente ou amigo, comemoração pela vitória de um time de futebol, nascimento de criança, matança de bumba-meu-boi, festa de preto velho ou simples reunião de amigos.
Não existe um dia determinado no calendário para a dança, que pode ser apresentada, preferencialmente, ao ar livre, em qualquer época do ano. Atualmente, o tambor de crioula é dançado com maior freqüência no carnaval e durante as festas juninas. Mais aqui em São João Batista foi criado um dia específico para o Tambor de Crioula, que é o 18 de junho, criado e aprovado na Câmara Municipal de Vereadores, em 2006. A dança não requer ensaios. Originalmente não exigia um tipo de indumentária fixa, mas nos dias atuais a dança pode ser vista com as brincantes vestidas em saias rodadas com estampas em cores vivas, anáguas largas com renda na borda e blusas rendadas e decotadas brancas ou de cor. Os adornos de flores, colares, pulseiras e torços coloridos na cabeça terminam de compor a caracterização da dançante. Os homens trajam calça escura e camisa estampada.
A animação é feita com o canto puxado pelos homens com o acompanhamento das mulheres. Um brincante puxa a toada de levantamento que pode ser uma toada já existente ou improvisada. Em seguida, o coro, integrado pelos instrumentistas e pelas mulheres, acompanha, passando esse canto a compor o refrão para os improvisos que se sucederão. Os temas, puxados livremente em toadas, podem ser classificados como de auto-apresentação, louvação aos santos protetores, sátiras, homenagem às mulheres, desafio de cantadores, fatos do cotidiano e despedida. O tambor de crioula apresenta coreografia livre e variada. A brincante que está no centro é responsável pela demonstração coreográfica principal, mostrando sua forma individual de dançar. No centro da roda, os movimentos são mais livres, mais intensos e bem acentuados, seguindo o compasso dos tocadores.
A dança apresenta uma particularidade: a punga. Entre as mulheres, se caracteriza como um convite para entrar na roda. Quando a brincante está no centro e quer sair, avança em direção a outra companheira, aplicando-lhe a punga, que consiste no toque com a barriga. A que estiver na roda vai para o centro para continuar a brincadeira. Toda a marcação dos passos da dança é feita por um conjunto de tambores que os brincantes chamam de parelha. São três tambores nos tamanhos pequeno, médio e grande, feitos de troncos de mangue, pau d’arco, soró ou angelim. Um par de matracas batidas no corpo do tambor grande auxilia na marcação. O tambor pequeno é conhecido como crivador ou pererengue; o médio é chamado de meião, meio ou chamador e o grande recebe, entre os tocadores, os nomes de roncador ou rufador.
Os tambores são bastante rústicos, feitos manualmente de troncos cortados nos três tamanhos e trabalhados exteriormente com plainas para que a parte superior fique mais larga que a inferior. Internamente, o tronco é trabalhado a fogo com o auxílio de instrumentos de ferro para que fique oco. A cobertura do tambor é feita com o couro de boi, veado, cavalo ou tamanduá. Depois da cobertura, é derramado azeite doce no couro que fica exposto ao sol para enxugar e atingir o “ponto de honra”, quando é considerado totalmente pronto. Durante a dança, os tambores são esquentados na fogueira para que tenham afinação perfeita.
Esta é uma homenagem do Portal Folha de SJB aos incentivadores do Tambor de Crioula em São João Batista…
Folha de SJB
Termo de uso
Política de moderação de comentários: O autor Jailson Mendes mantém a qualidade, atualidade e autenticidade das informações por ele apresentadas no presente blog, mas não se responsabiliza por informações/opiniões de terceiros. Ao comentar neste blog, você assume toda a responsabilidade pelo conteúdo postado. O autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *