Publicidade

GOVERNADOR FLÁVIO DINO, A BAIXADA PEDE SOCORRO

| 1 Comentário

Por Flávio Braga – Senhor governador, em nome do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense, agradeço publicamente o conjunto de obras que a gestão de vossa excelência já executou ou autorizou em nossa microrregião, a saber: ponte Bequimão-Central; conclusão do hospital regional de Pinheiro; anúncio dos Núcleos de Educação Integral em Pinheiro, Viana e Serrano; pavimentação da Estrada do Peixe e fábrica de gelo em Itans (Matinha); pavimentação da estrada de Pedro do Rosário-Cocalinho (Zé Doca); realização da primeira Agritec em São Bento; anúncio da construção do campus da UEMA em São Bento; anúncio da construção de três IEMAS (Santa Helena, São Vicente Férrer e Vitória do Mearim);programa CNH Rural e anúncio da construção do hospital regional de Viana.

Todavia, senhor governador, a Baixada Maranhense enfrenta a pior estiagem dos últimos 50 anos. A escassez de água já se tornou uma calamidade pública anual, visto que submete as comunidades rurais às mesmas privações e ao mesmo suplício em todo o período crítico do verão maranhense. O que mais nos angustia é que se trata de uma tragédia previsível e anunciada, mas incapaz de sensibilizar as autoridades que tem o poder de minimizar tamanho flagelo.

Provoca indignação lembrar que entre os meses de abril e agosto de cada ano a Baixada fica coberta por um verdadeiro mar de água doce. Entretanto, na época do abaixamento (a partir do mês de julho), essa fartura de água escoa para o mar e os campos da Baixada se transformam numa paisagem árida, imprópria para qualquer atividade produtiva, como conseqüência direta da omissão, descaso e negligência do Poder Público.

Governador, sugiro que vossa excelência embarque em um helicóptero e pouse no meio dos campos de Viana, Anajatuba, São João Batista ou qualquer outro município da Baixada para constatar presencialmente o sofrimento, a aflição e a dor que a falta de água provoca nas comunidades baixadeiras. Temos certeza que, após essa verificação in loco, a sua compaixão e sensibilidade de homem público determinará as medidas necessárias para reverter esse quadro de penúria e indigência absolutas.

Nessa perspectiva, há uma circunstância particular que diferencia muito bem a Baixada das outras regiões pobres do Maranhão: embora o seu povo seja bastante carente, as soluções para melhorar as suas condições de vida são baratas, simples e de fácil resolutividade. Só depende da vontade política de nossos governantes.

Diante desse contexto, duas obras se tornaram de necessidade imperiosa para amenizar o tormento infligido pela perversidade da seca: a execução do projeto Diques da Baixada e a construção de pequenas barragens, principalmente a Barragem do Defunto (beneficiando São Bento, Bacurituba, Palmeirândia, Peri-Mirim e Bequimão) e a Barragem do Félix (beneficiando Bequimão e Peri-Mirim).

A título de informação mais precisa, a foto que ilustra a postagem é do Povoado de Beira da Baixa, em São João Batista, uma região da área dos campos, que ao lado de Carnaubal, Manguari, Coroatá, Teso da Baixa, Ervanço e Pirabendiba, são habitadas por pequenos criadores e pescadores que vivem de perto o flagelo da seca e a ameaça da invasão de água salgada, uma vez que estas localidade ficam próximas às áreas de mangues e igarapés.

Folha de SJB

One Comment

  1. Prezado Flavio Braga, você coloca muito bem quando diz são conseqüência direta da omissão, descaso e negligência do Poder Público.
    Sou da região de campo sei muito bem o que o meu povo passa no período de estiagem. Enquanto o povo da região do campo passa essa seca terrível que só aumenta a cada ano devido, o prefeito da Cidade e seu vereador Luiz Everton estão é ostentando postando fotos nas redes sociais saciando sua sede com um belo copo de cerjeva na praia.
    Ô VIDÃO, toma vergonha meu povo FORA CORRUPTOS.

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.