Em São Vicente Ferrer, professores buscam soluções para pagamentos e retardam início das aulas

| 8 Comentários

Professores da rede municipal de São Vicente de Ferrer (Baixada Maranhense) decidiram suspender o início das aulas nas escolas públicas, que deveria ter começado no dia 19 de fevereiro, enquanto não houver definição para o pagamento dos salários atrasados e de outros direitos do magistério daquele município.

Assembleia dos professores de São Vicente Ferrer

A decisão foi tomada na última sexta-feira (16), em assembleia realizada na cidade pelo núcleo municipal do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma). Segundo o coordenador do núcleo do Sinproesemma, João Batista, os atrasos começaram no ano passado e, além dos salários, afetam as gratificações de difícil acesso, as dobras de carga horária e também as férias, levando os trabalhadores em educação a suspender o ano letivo deste ano até a quitação dos débitos.

Para tentar diminuir o desgaste político, a gestão chegou a mudar a data de início do ano letivo por duas ocasiões. “Eles mudaram a data de início do ano letivo, porque sabem que os professores não vão começar sem o pagamento dos salários atrasados”, afirmou o professor João Batista.

Além disso, a direção da entidade enviará ao Ministério Público Estadual documento com irregularidades encontradas na folha de pagamento, cuja fonte de recursos vem do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), como a inclusão de funcionários administrativos e da saúde na folha, o que é não é permitido com recursos do Fundeb, que devem ser aplicados exclusivamente na educação.

Segundo o núcleo, isso pode ser o motivo dos constantes atrasos, já que os recursos não estão sendo utilizados somente para a educação.  O órgão vai averiguar também como a prefeitura realizou o carnaval deste ano se havia salários de trabalhadores atrasados. “Vamos compartilhar com o Ministério Público todas as irregularidades descobertas para termos para estarmos respaldados com a paralisação das atividades”, ressaltou o coordenador, que disse ainda que pretende ampliar a luta pelos direitos dos trabalhadores da educação do município.

As ações contra a falta de pagamento dos salários em São Vicente de Ferrer são apoiadas pela direção estadual do Sinproesemma, por meio da Secretaria de Representação de Núcleos Municipais, sob a coordenação da professora Janice Nery, que inclusive participou da última assembleia. “O Sinproessema vai estar ao lado dos trabalhadores de São Vicente na luta para os direitos da categoria sejam respeitados”, disse Janice. As informações são do site do Sinproessema.

Folha de SJB

8 Comments

  1. esse secretario de educação esta acabando com o governo da prefeita…conceição abre teu olho tirar esse inutil dai porque se não ele vai acabar tirarndo vc

  2. Não é só secretário de educação. Ela também é igual a ele. Onde já se viu a dona da casa deixar que o empregado pinte e borde e não fazer nada?

  3. Chama Cadica e Mercês para explicarem como e quanto elas recebiam na época de Aía… Eita mãozinha medonha…

  4. Enquanto a educacao for tratada assim Sao vicente ferrer nao tem futuro. Uma dinastía de gestores analfabetos so pode privilegiar o carnaval en falta dinheiro para fazer o básico pagar os professores. Alias para onde está indo o dinheiro da educacao? Cidade cheia de fuxiqueiro se esquecer da educacao. Quem será o proximo analfabeto que será prefeito de sao vicente?

  5. Me admiro mercês e cadica reivindicando Pag amento, muita graça, onde elas sua turma fez muito mal a professores mesmo , tirando de suas funções de trabalho sem fundamento algum , perseguição política, esse secretário é bom de mais com elas !

  6. Folha de SJB removeu este comentário

  7. QUAL É O FUTURO DE UMA CIDADE EM QUE A EDUCACAO NAO E PRIORIDADE E A MENTIRA E A CORRUPÇÃO SAO OS PRINCIPIOS DOS FALSOS GESTORES A DÉCADAS? AGUARDO A REPOSTAR.

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.