Publicidade

Dr. Eulálio Figueiredo lança, na próxima sexta, a quarta edição do livro ‘O crime da Baronesa’

| 2 Comentários

Resultado de imagem para juiz eulalio figueiredo

Dr. Eulálio Figueiredo

Natural de São João Batista, o juiz Eulálio Figueiredo lançará na próxima sexta-feira, 11 de maio, a quarta edição do livro ‘O crime da baronesa’, em São Luis. O evento será realizado a partir das 19 horas na sede da AMEI, no Shopping São Luis. Esta é a obra de maior sucesso do magistrado.

‘O Crime da Baronesa’. trata do homicídio de que foi vítima Inocêncio, um escravo de oito anos de idade, no Maranhão província da segunda metade do século XIX. O crime ocorrido em 1876 ficaria impune não fosse o delegado-chefe de Polícia, que acusou como autora a senhora Anna Rosa Vianna Ribeiro, a Baronesa de Grajaú.

Ela era esposa de Carlos Fernando Ribeiro, o “Barão de Grajaú”, governador da província do Maranhão à época e chefe político do Partido Liberal durante o período imperial. O Crime da Baronesa já foi encenada no teatro da universidade UNDB, por alunos da professora de Português e Literatura Marineis Merçon.

“Essa obra, que já se tornou um best seller e leitura obrigatória para os maranhenses e para as pessoas de outros estados e países, faz parte da coleção que eu estou denominando TRILOGIA CRIMINOLÓGICA MARANHENSE, ao lado dos livros o PROCESSO DAS FORMIGAS e o CRIME DO DESEMBARGADOR PONTES VISGUEIRO (este no prelo), de minha autoria, porque retrata e analisa, não apenas sob o ponto de vista histórico, mas jurídico, sociológico, antropológico, criminológico, vitimológico e jornalístico os três casos que envolvem a prática de crimes célebres durante o período colonial e imperial do Maranhão província, que repercutem até hoje, porque as pessoas acusadas faziam parte da aristocracia social Ludovicense de antanho”, disse o juiz.

“Nosso intuito é mostrar às gerações passantes como o fato foi enfrentado pelo judiciário e pela sociedade naqueles tempos de insipiente progresso das ciências e apontar como seriam tais condutas delituosas apreciadas à luz do direito penal atual, fazendo um elo entre o passado e o futuro. Dois livros tratam de crimes de homicídio contra criança escrava e contra mulher que, em nossos dias, seriam encarados sob a ótica da pedofilia, racismo e do feminicídio. O outro trata da conduta animal como hipótese provável de comportamento criminoso, dada a possibilidade de certos animais praticarem condutas que se assemelham à prática humana de crimes. Aguardo vocês no lançamento da 4.º edição do livro O CRIME DA BARONESA. Não percam!”, completou.

Folha de SJB

2 Comments

  1. O homem que segura Boca de Acara

  2. O comentarista em destaque autor de Saraminda a linda prostituta do norte de onde hoje ele é Rei e também, não se poderia deixar de mencionar o autor da maior tragédia administrativa de todos os tempos da Republica Federativa do Brasil.

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.