Delegado, escrivão e funcionária negam irregularidades em expedições de licenças para festas em São João Batista

| 0 comentários

O delegado Rodrigo Alonso, o escrivão Malberth Moura e a funcionária contratada Mayara Campos negaram quaisquer irregularidades no processo de expedição de licenças para festas na cidade de São João Batista. Ontem, 17, o promotor de Justiça do município abriu um inquérito para investigar supostas irregularidades na expedição de licenças e suposto rateio de dinheiro entre os investigados.

De acordo com a portaria, obtida com exclusividade pelo Blog do Jailson Mendes, o inquérito é para investigar a prática de atos de improbidade administrativa em razão do não recolhimento ao FESP do tributo relativo à emissão de licenças de festa pelos servidores da Delegacia de Polícia Civil.

A ação é em razão de uma denúncia formulada ao Ministério Público. Na ocasião, o reclamante disse que existem “número excessivo de festas no Município de São João Batista, acrescentando ainda sobre a forma de pagamento da licença das festas, sendo paga diretamente na delegacia, enquanto o correto seria o pagamento em banco” e acrescentou ainda “que os valores da licença seriam rateados pelos servidores da delegacia e a responsável pela arrecadação seria a funcionária Mayara”.

Na portaria, constam como investigados o delegado Rodrigo Alonso; o escrivão de Polícia Civil, Malberth Moura e duas outras funcionárias, Mayara Campos e Simone Lima. Procurados pelo blog, eles negaram qualquer irregularidades. A funcionária Mayara Campos disse que não há nada de ilícito. “Minha posição é que seja investigado e lá sim será esclarecido tudo, ou seja, que não há nada de ilícito”, declarou.

Já o delegado de polícia, Rodrigo Alonso, disse que um problema de internet ocasionou a situação. “Ocorre que a internet da delegacia é de baixa velocidade e não consegue gerar o DARE, por isso a funcionária Mayara, ao final de cada mês, se dirige até a lan house a fim de gerar o DARE para poder depositar no banco o valor arrecadado pela licença”, disse o delegado, que comandou até junho a Delegacia de Polícia Civil de São João Batista.

“Nós temos conhecimento, que o próprio promotor de justiça da comarca de SJB, já surpreendeu uma pessoa com assinatura de licença falsificada, o que nos leva a crer que outras pessoas também podem está falsificando as licenças. Por isso, o fato também será apurado pela Polícia Civil”, informou Rodrigo Alonso.

Folha de SJB

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.