Viana recebeu mais de 7 milhões nos últimos 28 dias. Vejam os repasses para Cajapió, S. J. Batista, Penalva, Vitória, Olinda, S. V. Ferrer, São Bento e Matinha

Magrado Barros

A Prefeitura de Viana recebeu mais de 7 milhões só nos últimos 28 dias. Os repasses são referentes ao mês de fevereiro e estão disponíveis no site de acompanhamento do Banco do Brasil.

A cidade, administrada pelo prefeito Magrado Barros, é uma das maiores da Baixada Maranhense e nos últimos meses vem recebendo uma enxurrada de denúncias por parte do Ministério Público contra a gestão de Magrado, além de manifestações da população.

Dos municípios que o Blog do Jailson Mendes cobre, São Bento e Penalva chegam perto do montante. Elas receberam 6 milhões cada uma e são administradas pelos prefeitos Luizinho Barros e Ronildo Campos.

Em comparação com o mês passado, as cidades de São Vicente, Matinha, São João Batista, Olinda, Vitória do Mearim e Cajapió tiveram perdas nas receitas.

Vejam os números dos demais municípios.

Viana R$ 7.197.511,68 C

Vitória do Mearim R$ 4.987.837,82 C

São Bento R$ 6.467.216,85 C

São João Batista R$ 3.629.394,21 C

São Vicente Ferrer R$ 3.436.295,17 C

Olinda Nova do Maranhão R$ 2.726.155,23 C

Matinha R$ 3.861.978,82 C

Penalva R$ 5.965.773,07 C

Cajapió R$ 2.135.470,81 C

Mais de 11 mil passageiros já passaram pelos Terminais Ponta da Espera e Cujupe, rumo à Baixada Maranhense

Segue em ritmo intenso a movimentação de foliões nos Terminais de Ponta da Espera e Cujupe. Somente nessa sexta-feira (1º), mais de 11 mil passageiros e cerca de 1.500 veículos fizeram a travessia rumo à região da Baixada Maranhense.

Aqueles que se anteciparam e garantiram suas passagens embarcaram de forma rápida e tranquila. Já para quem não conseguiu se programar com antecedência, foram disponibilizadas viagens adicionais, observando a capacidade das embarcações.

Para a pedagoga Luciclea Garcia, o embarque rumo ao Carnaval de Pinheiro foi sem espera. “Vim achando que seria uma loucura, mas como estava com a passagem em mãos, foi tudo muito tranquilo”, disse.

O grupo de amigas Liana Lorena, Letícia Pereira e Susan Fonseca, que decidiu de última hora passar o Carnaval em Pinheiro, aguardou na fila. “Apesar da espera, o importante é que vamos viajar. Deu pra lanchar, ir ao banheiro e aproveitar a área de vivência do terminal”.

Para Lucivaldo Pereira, a ida para o Carnaval de Pinheiro já é uma tradição. Acompanhado de amigos e familiares, ele explicou que o fluxo foi normal. “Realmente eu já sabia que teria que aguardar na fila, mas o bom é que a espera está bem organizada, diferente de anos atrás, quando não se percebia essa gestão”, frisou.

Apesar do clima ser de folia e para a grande maioria dos passageiros a viagem já ser parte da festa, a recomendação dos responsáveis pelo serviço de ferry boat é de que apenas pessoas com passagem dirijam-se aos terminais.

Agora lascou: Governo Federal transfere atribuições das Colônias e Sindicatos dos Pescadores para as prefeituras

Uma portaria publicada pelo governo Jair Bolsonaro em janeiro transferiu todas as funções das colônias de pescadores e sindicatos para as Prefeituras do Maranhão.

A medida foi bastante criticada por órgãos ligados aos pescadores e centrais sindicais e atinge diretamente grandes líderes de colônias e sindicatos, principalmente na Baixada Maranhense.

A Medida Provisória 871 estabelece que a partir de 2020, o cadastro dos sindicalizados terá que ser feito exclusivamente nos Executivos, por meio das Secretarias municipais de Pesca e Agricultura e não mais nas colônias ou sindicatos.

Desse modo, as Prefeituras serão as responsáveis em emitir declarações aos conveniados para que estes deem entrada na aposentadoria e ao Seguro-Defeso junto ao INSS.

“Art. 38-A. O Ministério da Economia manterá sistema de cadastro dos segurados especiais no Cadastro Nacional de Informações Sociais – CNIS, observado o disposto nos § 4º e § 5º do art. 17, e poderá firmar acordo de cooperação com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e com outros órgãos da administração pública federal, estadual, distrital e municipal para a manutenção e a gestão do sistema de cadastro.

Art. 38-B § 1º A partir de 1º de janeiro de 2020, a comprovação da condição e do exercício da atividade rural do segurado especial ocorrerá exclusivamente pelas informações constantes do cadastro a que se refere o art. 38-A.” Com informações do Neto Ferreira.

Cesar Pires cobra recuperação de rodovias que cortam São Vicente, Cajapió e São Bento

Deputado Cesar Pires

O deputado César Pires (PV) cobrou solução para a precária situação das rodovias estaduais do Maranhão ao enfatizar, na tribuna da Assembleia Legislativa, que os parlamentares estaduais estão mais preocupados em cobrar a recuperação das estradas federais. “A reclamação aqui é constante com relação às BRs, mas não devemos esquecer que nossa obrigação é fiscalizar o estado das MAs e defender a segurança dos maranhenses que circulam perigosamente por essas vias”, enfatizou ele.

“Não ouvi reclamações das MAs, que estão tão precárias quanto as BRs. Parece que só trafegamos por BR, quando direcionamos nossas cobranças ao presidente Bolsonaro e ao do ministro do Transporte. Sobre a situação das nossas rodovias, há no plenário um silêncio franciscano como se estivéssemos num mosteiro”, ironizou o deputado.

César Pires citou como exemplos a MA-201 (estrada de Ribamar), a MA-026, em Vargem Grande, e as rodovias que levam à Baixada, passando pelos municípios de São Bento, Cajapió e São Vicente de Ferrer. “São estradas em péssimas condições. Nós podemos silenciar, como deputados estaduais, ou a nós compete fazermos os trabalhos dos deputados federais, tratando só das BRs?”, questionou ele.

O deputado ressaltou que todos os demais parlamentares estaduais, que costumam viajar de carro pelas várias regiões do Maranhão, sabem que há muitas rodovias estaduais tão precárias quanto as BRs. “Sofremos prejuízos com nossos carros e toda a população tem a sua segurança ameaçada ao trafegar por essas estradas. Então, como deputados estaduais, não podemos silenciar diante da nossa responsabilidade de lutar pela recuperação das MAs”, ressaltou César Pires.

Ele concluiu lembrando que foi um dos primeiros a cobrar a duplicação da BR-135, e que se recusou a participar da inauguração às pressas “de uma obra mal feita”, referindo-se à entrega do primeiro trecho da duplicação da rodovia que dá acesso a São Luís. “Essa situação merece nossas críticas e reivindicações, mas sem ficarmos míopes com relação às MAs. Devemos unir esforços, pois vivemos no mesmo Maranhão e trafegamos nas mesmas estradas”, finalizou.

Blog do Jailson Mendes

Pré-carnaval dos baixadeiros será realizado no próximo sábado, em São Luis

O grito de carnaval dos Baixadeiros deste ano de 2019 será no dia 16 de fevereiro (sábado), na Associação dos Magistrados (Calhau), a partir das 15:00 horas. O Abadá está sendo comercializado ao preço de R$ 15,00 (Quinze Reais).

A festa vai ser constituída por um numeroso grupo de conterrâneos da Baixada Maranhense que residem em São Luís e que passam o período momesco em seus municípios de origem. São foliões naturais de Pinheiro, Peri-Mirim, São Bento, Bequimão, Matinha, Viana, Anajatuba, Cajari, São João Batista etc.

O objetivo dos organizadores é fazer um carnaval tradicional , com marchinhas que marcaram época e também homenagear a Baixada Maranhense, congregando e promovendo um espaço de animação para os maranhenses oriundos dessa região do Estado e também difundir a cultura, os costumes, as belezas naturais e os valores da mesma.

O acesso a associação é mediante ao uso do abadá do carnaval e doação de 1 kg de alimento não perecível. Os abadás podem ser adquiridos pelo fone e whatsapp 9-8114-2052 ou no local do evento. Ascom

Blog do Jailson Mendes

Líder estudantil se reúne com Felipe Camarão e viabiliza quadra e materiais para escola em Arari

Raul Victor

O líder juvenil e presidente do Grêmio Estudantil do Centro de Ensino ‘Cidade de Arari’, Raul Victor, mostrou força e conseguiu viabilizar equipamentos para a escola onde ele estuda.

Na semana passada, ele esteve reunido na sede da Secretaria de Estado da Educação com o titular da pasta, Felipe Camarão, e conseguiu viabilizar equipamentos para a unidade de ensino.

O líder estudantil estava acompanhado do prefeito do município, Djalma Melo, e viabilizou uma quadra poliesportiva e novas carteiras para a instituição de ensino da Rede Pública Estadual de Arari.

Mostrando preocupação com a classe, Raul Victor preside um dos mais atuantes grêmios da Baixada Maranhense, fortalecendo a classe dos estudantes na região.

“Temos mostrado força e atuação em defesa dos nossos estudantes e, na visita que fizemos, o secretário Felipe Camarão garantiu que as obras iniciarão já nos próximos meses. É esse o nosso compromisso”, disse.

Blog do Jailson Mendes

Polícia apreende mercadorias suspeitas de contrabando na MA-014, entre Matinha e Olinda Nova

Nesta quarta-feira, 06, por volta das 22 horas, a Polícia Militar fez uma barreira na MA-014, entre os municípios de Matinha e Olinda Nova do Maranhão. A ação resultou na apreensão de uma vasta mercadoria suspeita de contrabando.

Na operação, foi abordado uma van, de placa PSM-9642, de cor cinza, conduzida por Antônio José Menezes Pereira, acompanhado por, Alexsandro das Neves Santos e Rafael Nunes Fernandes. No interior do veículo foram encontrados 130 caixas de cigarro.

Na mesma ação, foi abordada uma caminhonete Frontier, branca com a placa PTG-3947, conduzida por Irandir Almeida Queiroz, que deslocava junto com a van.

Após averiguação na carroceria da mesma foi constatado que haviam oito (8 )fardos de fumo, de 10 kg cada, uma (1) caixa de de alho com 10 kg, três (3) dúzias de sombrinha,(10)dez kg de sacola, e (01)uma caixa de lanterna.

Segundo informações da polícia militar, há suspeitas que a mercadoria seja de contrabando. Todos que estavam nos veículos foram conduzidos para a Delegacia Regional de Viana para as providências cabíveis. As informações são da TV Maracu.

Blog do Jailson Mendes

Ônibus clandestino com passageiros de Olinda Nova e São Vicente quebra na BR-153, em Goiás

Foto: G1

Um grupo com 49 passageiros ficou abandonado na BR-153 após o ônibus clandestino no qual viajavam quebrar na estrada, em Goiatuba, no sul do estado de Goiás. Ao longo do trajeto, eles tiveram que pagar pela manutenção e até combustível do veículo. Agora, sem dinheiro, muitos relatam que estão até passando fome.

O veículo saiu do Maranhão com destino a São Paulo, sendo que a maioria dos passageiros são das cidades da Baixada Maranhense, especificamente de Olinda Nova do Maranhão e São Vicente Ferrer. O ônibus foi apresentando problemas mecânicos ao longo do caminho, mas estragou totalmente na segunda-feira (14), quando passava por Goiatuba.

O para-choques estava quebrado e os bancos estavam danificados. Quatro pneus furaram ao longo do trajeto e o motor não funciona mais. A lavradora Ângela Silva estava levando o filho para fazer uma cirurgia que estava sendo esperada há três anos. “Acabou tendo essa tragédia toda e estamos sem dinheiro para comprar comida. Não sei mais o que fazer”, disse.

O motorista do ônibus disse que estava desempregado e receberia R$ 600 para dirigir parte do trajeto. “Eu não sabia a situação do ônibus, que ele estava irregular. Me falaram que teria um outro motorista, que ia dirigir só uma parte, mas vim sozinho até aqui. E não tenho nenhum centavo”, disse Webert Serra Gomes.

Segundo o que o Blog do Jailson Mendes colheu, pelo menos 10 dez pessoas são de Olinda Nova, sendo a maioria da região do Bairro Novo e Iraque e que o veículo pertenceria à empresa Gordo Turismo. Desde que o veículo parou na estrada, os passageiros estão passando dificuldades, dormindo dentro do veículo a espera de uma solução. “O dono do ônibus joga a responsabilidade para o agenciador de passagem, que joga para o dono do bar. Se a gente tirar o ônibus, eles não vão ter onde dormir, vão ficar ao relento”, disse o policial rodoviário Roberto Mattos.

Ontem, os passageiros foram colocados em outro ônibus, regularizado, pela Agência Nacional de Transportes Terrestres, e conseguiram seguir viagem. O custo do transporte será repassado ao dono do veículo clandestino. Com informações do G1.

Blog do Jailson Mendes

Quebradeiras de coco babaçu inovam e criam centro de formação

Uma ideia pioneira no Maranhão. É o que propõe o Centro de Formação do MIQCB direcionado à capacitação das quebradeiras de coco babaçu. A criação do Centro é uma iniciativa do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB) por meio do projeto Floresta de Babaçu em Pé, que conta com recursos do Fundo Babaçu e apoio do Fundo Amazônia, gerido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

O evento vai ocorrer nos dia 17 e 18 de janeiro. O Centro de Formação visa capacitar um total de 150 pessoas, entre mulheres de jovens. Durante os dois dias, quebradeiras de coco babaçu (do Maranhão, Pará, Piauí e Tocantins)  estarão reunidas para a construção do plano político-pedagógico do Centro de Formação.

O objetivo é fortalecer ainda mais a formação política das quebradeiras de coco babaçu na luta pelo acesso livre ao território e preservação das florestas de babaçuais e ampliar e consolidar a cadeia de produtos derivados do coco babaçu.

Entre os cursos modulares que serão direcionados: Consultoria para elaboração de um Plano de negócio e Sustentabilidade do Centro, Formação de Liderança, todos direcionados ao uso sustentável da biodiversidade nos babaçuais, fortalecer o acesso de comunidades tradicionais das quebradeiras de coco babaçu a seus direitos e políticas, regularização e manutenção de seus territórios.

Quebradeiras de coco babaçu

O babaçu, predominante no Maranhão é muito usado na indústria de limpeza,  cosmética e outras. São cerca de 350 mil quebradeiras de coco no país. Elas estão concentradas, cerca de 80%, nos quatro estados de atuação do MIQCB (MA,PA,PI e TO). O acesso livre ao território é uma das principais luta das quebradeiras de coco babaçu.

O maior desafio é enfrentar a violência física e psicológica. Cerca de seis lideranças quebradeiras de coco babaçu estão ameaçadas somente no Maranhão de acordo com dados da CPT. A monocultura e o agronegócio são as principais ameaças. Dados da Cartografia Social da Amazônia, projeto desenvolvido pelas Universidades Federal do MA, PA e PI, indicam que as florestas de babaçu aumentaram de 18 milhões de hectares para 25 milhões nesses quatro estados.

A cultura da quebra do coco babaçu ainda resiste.  A relação de bem viver que mantém com o ambiente, preservando principalmente as palmeiras de babaçu as caracterizam como guardiãs das florestas. Do babaçu tudo se aproveita, são retirados mais de 65 produtos: azeite, sabonete, artesanato, farinha de mesocarpo entre outros. Portal Guará.

Com chuvas, situação de estradas vicinais começam a preocupar moradores da Baixada Maranhense

Moradores de diversas cidades da Baixada Maranhense começaram a se preocupar com as péssimas condições das estradas vicinais, que pioram com as chuvas que já estão chegando com mais frequência na região.

A situação é a mesma de vários anos, impossibilitando o trânsito e o escoamento de produtos, além de impedir a passagem de veículos escolares. A situação é complicado nas cidades de São João Batista, São Vicente, Matinha e Penalva.

Leitores do Blog do Jailson Mendes constantemente enviam fotos e vídeos da situação das estradas vicinais e é o mesmo problema denunciado nos anos anteriores nesta página, sem a preocupação dos gestores públicos.

A situação é preocupante no povoado Jacaré, município de Penalva. Fotos enviadas mostram a precariedade da estrada e o prefeito Ronildo Campos disse ao blog que tem um convênio com o Governo do Estado no valor de 1,5 milhões, mas que até agora só foram repassados 10% desse valor e a chuva está impedindo a continuação dos serviços.

O problema é o mesmo enfrentado por moradores dos povoados Beirada, Quiá, Bom Jesus e Raposa, na cidade de São João Batista. Lama e barro impedem os habitantes da zona rural de circular com frequência e a situação só piora.

Blog do Jailson Mendes

Luiz Figueiredo: A Baixada Maranhense continua clamando…

O governador Flávio Dino divulgou as principais metas do seu segundo mandato, com a previsão de quarenta grandes obras em todo o Estado. Com relação a Baixada Maranhense, uma das regiões mais próximas da capital e com um potencial muito grande para fortalecer a economia do estado, tomo a liberdade de sugerir dois grandes projetos que beneficiarão diretamente toda a população que ali vive: – a construção dos diques da baixada e a estrada ligando o município de Bacabeira ‘a região, com uma redução de 200 km e consequentemente diminuição do tempo de viagem, do preço das passagens, fretes e uma grande economia de combustível, além da integração da Baixada ao Polo de Bacabeira.

Resultado de imagem para luiz figueiredo, de sjb
Luiz Figueiredo

Muito se tem falado e debatido sobre a Baixada Maranhense nos últimos anos, tudo girando em torno de projetos que possam contribuir para o seu desenvolvimento, melhorando a qualidade de vida da população que aqui vive. A Baixada não é problema, é solução, com incentivos para empresas produtivas, capazes de gerar emprego e renda, fazendo com que a região volte a ser o que foi , até o meados do século XX, o grande celeiro abastecedor da capital maranhense.

Isto depende exclusivamente de decisão política, já que os nossos governantes não tem tido a capacidade ou o interesse de implementar políticas públicas com a finalidade de atingir a médio prazo esses objetivos. As características naturais da região são propícias a implantação de várias atividades econômicas que transformariam as empresas ali instaladas em alavancas desse processo de mudança. Temos uma excelente localização em relação a cidade de São Luís, temos terras férteis e de preços atrativos, infraestrutura rodoviária, elétrica e de transportes totalmente implantadas, contamos com o serviço dos ferry-bouts e com vários outros pontos de embarque e desembarque, portanto com possibilidade de acesso a qualquer cidade litorânea.

No Equador, país sulamericano, existe uma região chamada Guaaquyl, com as mesmas características da nossa baixada, até a área territorial é bem aproximada, bastante desenvolvida e com uma produção industrial muito grande, portanto o que precisamos é de investimento, e decisão de governo. Só com a construção dos diques teremos uma solução definitiva para recuperação dos campos naturais com um potencial capaz de beneficiar pobres e ricos, porque ali se desenvolve a agropecuária, uma quantidade incalculável de peixes, a caça, e o represamento da água essencial para todos, e inclusive para a irrigação, evitando também a salinização dos campos.

Os chamados diques da produção é uma solução paliativa, localizada, que não contribui para a preservação do ecossistema e da biodiversidade características da região. Destaco a atuação do Fórum em Defesa da Baixada, formado por líderes e técnicos profundos conhecedores dos problemas que afligem a Baixada e todos clamam por uma solução rápida. Cito o do Dr Flávio Braga idealizador e apoiador desse grande movimento, que persiste com objetivo de conseguir viabilizar projetos e recursos para esse fim.

Eu particularmente também venho procurando dar a minha colaboração com dois projetos fundamentais para completar a implantação da infraestrutura básica; a construção dos diques e a ligação rodo-fluvial via Bacabeira. O projeto dos diques vem se arrastando há mais de trinta anos. Passado todo esse tempo,em dezembro de 2006, levei técnicos do governo para visitar” in loco” as áreas mais afetadas pela estiagem e a partir daí foram retomados os trabalhos de elaboração de novo projeto no Governo Jackson Lago.

O grupo inicialmente foi formado por Reginaldo Teles, Leo Costa, Manoel Bordalo, e eu, com o apoio de Neiva Moreira e Luiz Raimundo Azevedo, Júlio Noronha e outros. Já se vão mais doze anos de muita luta, e o governo parece inerte, insensível.Mas não desistiremos! Além dos projetos acima referidos, ainda temos sugestões para um grande programa de desenvolvimento integrado capaz de transformar a nossa Baixada Maranhense na terra berço que tanto sonhamos…

Luiz Figueiredo, ex-prefeito de São João Batista

Viana recebeu quase 8 milhões só em dezembro; vejam os repasses para S. J. Batista, Olinda, Matinha, São Vicente, Cajapió, Penalva e São Bento

Prefeito de Viana

O prefeito de Viana, Magrado Barros, exonerou todos os funcionários contratos e comissionados sem pagar. Porém, de acordo com o levantamento feito pelo Blog do Jailson Mendes, só em dezembro, o Governo Federal repassou quase 8 milhões para os cofres públicos administrados pelo gestor.

Na mesma situação, está o prefeito de São Bento, Luizinho Barros, que só este mês recebeu mais de 6 milhões. Mesmo assim, em recente acordo com o Ministério Público, o gestor disse que só pagará os meses de novembro e dezembro no ano que vem, se o Governo Federal enviar uma complementação.

Na lista dos municípios que mais receberam, onde o blog faz cobertura, vem Penalva. Para a cidade administrada por Ronildo Campos, foram mais de 6 milhões e meio. O blog informa que, nestes valores, não estão descontados os pagamentos de precatórios e demais encargos.

Vejam os números dos demais municípios.

Penalva  R$ 6.666.015,26 C

São João Batista R$ 4.090.405,95 C

Viana R$ 7.706.929,30 C

São Bento R$ 6.384.935,84 C

São Vicente Ferrer R$ 3.824.631,14 C

Cajapió R$ 2.417.804,09 C

Matinha R$ 4.197.420,87 C

Olinda Nova do Maranhão 3.160.325,03 C

Penalva e Cajapió estão entre as 10 cidades com menor PIB do Brasil; dados são de 2016

Quase metade do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2016 ficou concentrado em apenas 66 dos 5.570 municípios do país. Isso significa que apenas 1,2% das cidades, que representavam 1/3 da população, responderam por cerca de 50% de toda a economia brasileira naquele ano. É o que aponta um levantamento divulgado nesta sexta-feira (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em 2016, o PIB recuou 3,3%, segundos dados revisados e divulgados pelo IBGE no mês passado. Em valores correntes, ele chegou a R$ 6,266 trilhões naquele ano, e o PIB per capita ficou em R$ 30.407. Dentre os 571 municípios com os menores PIBs per capita (todos acima da posição 5.000 no ranking), 496 estão no Nordeste, 44 no Norte e 31 no Sudeste. As regiões Sul e Centro-Oeste não têm nenhum município neste grupo.

O IBGE destacou que apenas dois destes municípios, entre os 571, não tiveram a administração, defesa, educação e saúde públicas e seguridade social como principal atividade econômica. São eles: Barra do Corda e Paço do Lumiar, ambos no Maranhão. Das 10 cidades com menor per capita, 6 são do Maranhão.

Entre as cidades com menor PIB do Brasil estão duas da Baixada Maranhense: Penalva e Cajapió. O município de Penalva é a terceira cidade do país com menor Produto Interno Bruto. Veja abaixo a lista das cidades com menor PIB por habitante em 2016:

  1. Novo Triunfo (BA): R$ 3.190
  2. Nina Rodrigues (MA): R$ 4.282
  3. Ipixuna (AM): R$ 4.533
  4. Penalva (MA): R$ 4.530
  5. Pires Ferreira (CE): R$ 4.585
  6. Santana do Maranhão (MA): R$ 4.586
  7. Cajapió (MA): R$ 4.689
  8. Satubinha (MA): R$ 4.766
  9. Matões do Norte (MA): R$ 4.803

Paulínia (SP) é onde o PIB per capita é maior: R$ 314. 637,69 em 2016. O município possui relevância nacional na indústria de refino de petróleo. Esse valor é mais de dez vezes maior que o PIB per capita geral para o brasileiro naquele ano, que ficou em R$ 30.407, segundo o IBGE.

Na segunda posição está Selvíria (MS), com R$ 306.138,63 por morador, graças à geração de energia hidrelétrica. Na sequência vêm São Francisco do Conde (BA), com R$ 296.459,35, também influenciado pelo refino de petróleo, e Triunfo (RS), com PIB per capita de R$ 289.932,05, em razão de sua indústria petroquímica. Veja a lista de cidades com maior PIB per capita em 2016:

  1. Paulínia (SP): R$ 314,6 mil
  2. Selvíria (MS): R$ 306,1 mil
  3. São Francisco do Conde (BA): R$ 296,4 mil
  4. Triunfo (RS): R$ 289,9 mil
  5. Brejo Alegre (SP): R$ 274,6 mil
  6. Sebastianópolis do Sul (SP): R$ 253,1 mil
  7. Louveira (SP): R$ 250,8 mil
  8. Campos de Júlio (MT): R$ 202,3 mil
  9. Meridiano (SP): R$ 184,6 mil
  10. Extrema (MG): R$ 183,2 mil

O PIB per capita de um município é a divisão da riqueza total da cidade pela sua quantidade de habitantes. Ele mede quanto, do total produzido, “cabe” a cada morador do município se todos tivessem partes iguais. É um indicador de bem-estar. Cidades e países com o PIB per capita maior tendem a ter qualidade de vida mais alta e mais acesso aos serviços públicos.

Folha de SJB

 

Em Viana, Fórum da Baixada realiza confraternização e homenageia personalidades

No último sábado, dia 08 de dezembro, o Fórum da Baixada em Defesa da Baixada Maranhense – FDBM promoveu a sua Confraternização Natalina no município de Viana. O Evento foi coordenado pelo 1º Vice-presidente, o vianense Nélio Júnior, que não mediu esforços para que a confraternização fosse regada com comida saborosa e boa música, na voz de Priscila Carvalho.

A chegada dos forenses em expedição coincidiu com as comemorações do dia de Nossa Senhora da Conceição, padroeira da cidade. Sob fortes saraivadas de foguetes, os forenses pararam para contemplar o rio Maracu e se encantarem com suas belezas. Em seguida dirigiram-se ao evento, no Sítio de Suli Veloso: uma belíssima construção moderna inspirada nas estearias no século XVIII, em que os povos baixadeiros fabricavam suas casas suspensas por estacas, para se protegeram das fortes enchentes.

O almoço foi servido. O cardápio não poderia ser mais adequado: torta de traíra seca, pato ao molho, creme de camarão, peixe escabeche. A sobremesa, além de doces e frutas variadas, não faltou a tradicional juçara.

As homenagens deste ano foram para o Deputado Raimundo Cutrim, pela iniciativa de lei que tornou o FDBM de Utilidade Pública; Dr. Gusmão Araújo, Prof. da UEMA responsável pela gestão do Projeto Bosques na Baixada e Elinajara Pereira, pelos relevantes serviços prestados ao FDBM, como Secretária e Gestora do Projeto de Turismo na Baixada.

O evento teve a cobertura da Rádio e TV Maracu que procedeu imagens e entrevistas, com a Repórter Tânia e equipe. No decorrer da Confraternização, muitos forenses e vianenses usaram a palavra para agradecer e parabenizar o Fórum em Defesa da Baixada, bem como desejar que o espírito natalino se renove a cada ano e que a Nação Baixadeira permaneça unida para que a região seja reconhecida por seus filhos e pelo Poder Público.

Folha de SJB

Prefeituras de Viana e São Bento recebem mais de um milhão extra do FPM; vejam os valores de S. J. Batista, Penalva, Matinha, Olinda, Cajapió e São Vicente

O repasse adicional de 1% do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) de dezembro foi depositado nesta sexta-feira, 7 de dezembro. A previsão da Confederação Nacional de Municípios (CNM) é de que o montante chegue a mais de R$ 4 bilhões. Ou seja, um crescimento de 7,13% comparado a 2017.

Segundo dados do CNM(Confederação Nacional dos Municípios), os municípios de Viana e São Bento receberam, cada um, mais de um milhão extra do FPM. O município de Penalva também recebeu quase o mesmo tanto, um pouco mais de 900 mil. O recurso extra é proveniente da arrecadação do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) e do Imposto de Renda (IR) contabilizada entre o início de dezembro do ano passado até o final de novembro deste ano.

O repasse foi realizado um dia antes do primeiro decêndio normal do FPM de dezembro. Cabe destacar que, de acordo com a redação da Emenda Constitucional 55/2007, não incide retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) ao 1% adicional do FPM.

No entanto, trata-se de uma transferência constitucional e por isso deve incorporar a Receita Corrente Líquida (RCL) do Município e, consequentemente, deve-se aplicar os limites constitucionais em saúde e educação. Os Municípios recebem todos os anos nos meses de julho e dezembro 1% da arrecadação de IR e IPI referente aos 12 meses anteriores ao mês do repasse.

O FPM é composto de 22,5% da arrecadação desses tributos repassados a cada decêndio e distribuídos de forma proporcional de acordo com uma tabela de faixas populacionais.

Vejam a lista

São João Batista 600.164,70 reais

Viana 1.100.301,96 reais

São Vicente Ferrer 600.164,70 reais

Penalva 900.247,05 reais

São Bento 1.000.274,50 reais

Olinda Nova do Maranhão 500.137,25 reais

Matinha 600.164,70 reais

Cajapió 400.109,80 reais