Artigo: Discurso de saudação acadêmica de João Carlos Leite

Excelentíssimo senhor presidente Carlos Cesar Brito, em nome de quem saúdo a todas as confreiras e confrades da AMCAL, conterrâneas e conterrâneos, demais acadêmicas e acadêmicos aqui presentes.

Edleuza Brito e Luís Kléber

Senhoras, senhores.

Recebi uma incumbência deveras difícil, mas ao mesmo tempo saborosa: fazer um discurso de saudação á confreira Edleuza Brito e ao confrade Luís Kléber, dois dignos representantes da nossa academia

Edleuza Nere Brito Souza, cadeira nº 07, cujo patrono é o senhor Antônio Pedro Brito; Luís Kléber Furtado Brito, cadeira nº 18 patroneada por Miguel Penha Brito.

Edleuza Nere Brito Souza, nascida em 23 de outubro de 1961, na cidade Matinha. Membro fundadora da AMCAL, vice presidenta da atual diretoria. É graduada em Pedagogia pela UFMA, especialista em Didática Universitária, mestranda em Cultura e Sociedade, do Programa de Pós Graduação PGCULT/UFMA, professora do IFMA – -membro do Núcleo de Estudo e Pesquisa em Tecnologias Educacionais, Neurociência e Afetividade – (GEP-TNA), da UEMA. Considera-se uma educadora em processo, portanto inacabada. Pretende na academia, contribuir com o desenvolvimento de ações/atividades que de algum modo colaborem com a melhoria de qualidade de vida dos seus conterrâneos.

Luís Kléber Furtado Brito, nascido em 07, de setembro de 1963. Bancário aposentado da CEF, declara-se um autodidata, compositor. Para mim é um poeta de mão cheia. Não perdendo pra muitos que existem por ai. Também não se acha cantor. Eu o avalio um excelente musicista, bem como notável pintor e artista plástico.

Suas canções são belíssimas, inesquecíveis, brilhantes. Quem de nós não já se pegou cantando a linda melodia “por isso eu canto e o meu canto é Matinha …” da sua música, canto para um canto? Ou então quem não se sentiu debaixo do cajueiro do mercado, “com seus ninhos de japi”, remoendo – se de inveja de João Dhiba, só ele, por ser o mais levado de todos nós, seus contemporâneos, ter conseguido subir, na canção cajueiro velho?

Eu e muitos matinhenses choramos de emoção ao ouvir a sublime estrofe “tinha concertos de bichos, cachoeira cores mil. Beleza, força, magia, no mundo que rosa via e a ganância destruiu”, da maviosa Rosa triste. Quem não parou pra pensar na nossa vida de antanho ao ouvir “Brinco com folhas invento formas, conforme o vento e a sombra nos jiraus, guardo um espelho pendurado na pindoba, tomo meus banhos em poço de juçaral”, ou “o

progresso tá chegando minha Matinha tá mudando, mas não muda o amor”, das meditativas Reflexões e Reencontro?

Velhos carnavais homenageia o símbolo maior da nossa terra, a manga, e nos emociona demais: “essa nossa fruta nobre, que satisfaz o paladar do rico e na escassez, mata a fome do pobre”

Paro por aqui…senão, talvez não consiga segurar o choro!

QUEBRA DE PROTOCOLO:

EDLEUZA

Eu a conheço, desde de criança, como Edleuza de Nezico e Francisquinha.

A imagem mais antiga que tenho dela? Sentada num sofá comendo, creio que manga, a boca toda suja, numa das visitas que Tchem (Ana Rita), fazia a sua mãe dona Francisca, num dos seus muitos partos.

Sempre foi inteligente. Liamos muitas revistinhas na infância. Estudamos juntos no ginásio Bandeirante. Depois ela mudou-se pra Vitoria do Mearim. Perdemos o contato.

KEBINHA

Pra mim ele sempre foi Kebinha…mesmo grandão, é assim que eu o chamo até hoje.

É muito difícil falar de alguém que gostamos e admiramos. A filosofia diz que é necessário nos afastarmos do objeto para fazermos uma avaliação isenta. Com Kebinha será impossível. Nós sempre estivemos juntos. Nossa amizade ultrapassa meio século.

A imagem mais antiga que eu tenho dele? É uma lembrança que remonta os meus quatro ou cinco anos de idade, e vem por incrível que pareça, não no sentido da visão, mas na memória olfativa. Ainda sinto o cheiro do talco que Dondona, como todos chamávamos sua mãe, passava nele.

Não teria tempo para falar das peripécias que vivemos, foram muitas, eu diria dezenas ou centenas.

Quando chegava o dia 7 de setembro, data consagrada pra comemorar a independência do Brasil, três coisas eu sabia que aconteceriam: teria desfile, eu largaria o desfile depois de uma hora debaixo do sol quente, e me empanturraria de bolo e refrigerantes, no aniversario dele

· Pescamos jandiás, piabas, bagrinhos, de dia, de noite;

· Íamos pra Santa Maria, Bom Jesus, Belas Aguas, com Tchem;

· Secávamos poça, vendíamos tucum…

· Armávamos garapucas, tirávamos bicho de tucum;

· Jogávamos pião, bolinha de vidro, china;

· Líamos e trocávamos revistinhas;

· Comíamos, peruana, ginja, goiaba, cajá, seriguela;

· Íamos pro Mangal comer manga, bacuri, jambolão;

· Viemos pra São Luís quase ao mesmo tempo;

· Ia visitá-lo na casa de padre Sidney. Na Jansen Miller;

· Viramos bancários quase ao mesmo tempo;

· Fomos da diretoria Sindicato dos Bancários;

Ele é o craque do nosso time. Todo time tem seu Zico. Ele é nosso Maradona. Nosso Pelé.

Para encerrar: farei a saudação não de modo convencional, usual. Reverenciarei aos nossos imortais com a eterna louvação, que tornou famoso o personagem senhor Spock, um hibrido de vulcano e terráquea, protagonizado por Leonard Nimoy, na série Jornada nas Estrelas, a original, cuja filosofia ´de vida era pautada na lógica e na inteligência. Inspiração bem adequada para o momento.

: VIDA LONGA, E PRÓSPERA, confreira Edleuza Nere Brito Sousa, Edleuza de Nezico e Francisquinha, e confrade Luís Kleber Furtado Brito, Kebinha de Miguel Brito e Dondona.

João Carlos da Silva Costa Leite é cronista e escritor, natural de Matinha – MA. Bancário aposentado, casado, presbítero em disponibilidade da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil (IPIB). Membro do Fórum em Defesa da Baixada Maranhense (FDBM). Membro fundador da Academia Matinhense de Ciências, Artes e Letras (AMCAL), ocupando a cadeira de número 17, cuja patronesse é sua mãe, Maria Jose da Silva Costa Leite. Graduando em Filosofia pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *